Ângelo um garoto alegre, que traz em seus olhos, um brilho especial.
Viajava, de cidades, em cidades, em busca de fazer atos heróicos.
Ao encontrar pessoas, buscando algo para preencher a vida.

Ele se aproximava, e os acompanhava.
Para observar, por que tinham tanta tristeza no olhar.

Um dia encontrou dois garotos, que viviam nas ruas, pedindo alimentos, e pediam para serem cuidados amados, e protegidos .

Viviam sendo perseguidos, pois sempre estavam sujos e maltrapilhos, por isso por onde andassem, não eram bem visto, então a população os viam com maus olhos.

Ângelo os olhou com ternura, e fez aparecer em suas mãos, dois lanches saborosos, pois ao vê-los tremendo de frio, e com seus rostos, sofridos, percebeu, que não se alimentavam, a muitos dias.

Ao se aproximar perguntou: - Estão com fome?
Os garotos assustados respondem ao mesmo tempo: - muita fome moço!
-Trouxe dois lanches para que possam se alimentar;
Os dois garotos surpresos pelo gesto de bondade. Respondem com olhos esbugaados:
-Obrigado moço!.
Ângelo para conhecê-los melhor pergunta: - Amiguinhos de onde vem?
-Somos das ruas, não temos casa.
Ângelo os olha com compaixão e diz:- Vou acompanhá-los afinal também não tenho casa!
-Podem me dizer seus nomes?
-Meu nome é Marcos, e o meu Julho;
-São irmãos?
-Apenas amigos! Responde Marcos, olhando para julho.
Ângelo os acompanha, por todos os lados, mas apenas eles os vêem, enquanto os protege, ele também observa os corações, de todos os casais da cidade, em busca de algo especial, neles. Quando de repente, ele ouve algo:
-Paulo gostaria muito de adotar, um casal de filhos, já temos tudo que precisamos para sobreviver, mas falta alegria em nossa casa;
-Mas Doroti, podemos gerar nossos próprios filhos!
-Mas primeiro quero adotar;
-Esta bem querida não custa nada, vamos buscar nos orfanatos da cidade;
O casal está em uma praça, e a tarde está quente, com uma brisa suave que refresca todo o ambiente , os galhos das arvores, balançam suavemente, e os aromas das folhas verdes e das flores, tomam conta de todo o lugar.
Ângelo rapidamente, diz para Marcos e Julho: - Vamos até aquela praça, lá á um bebedouro, podemos tomar água;
Marcos, e Julho respondem:- Não podemos ir lá, as pessoas não gosta de nossa presença;
-Fiquem tranqüilos meus amigos estou com vocês nada vai acontecer!
Marcos e Julho seguem em direção a praça, um pouco ressabiados, Ângelo caminha ao lado deles, ao chegarem até a praça, vão à direção ao bebedouro, Doroti, se depara com os dois meninos, e os olhas com ternura, e se aproxima, então ela pergunta:
-Meninos onde esta a sua mãe?
-Senhora, não temos mãe, vivemos na rua!
-Doroti, vamos em bóra , Doroti; exclama Paulo com o olhar cheio de receio, por vela falar com os garoto.
Neste momento Doroti olha para seu esposo, e ao mesmo tempo para Marcos e Julho.
-Eles não têm abrigo Paulo; Fala Doroti, com um olhar acolhedor.
Paulo se aproxima dos meninos e diz: - Onde está seus Pais?
-Não temos Pais Senhor!
Ângelo se aproxima de Paulo, e ao segurar em seus ombros, o enche de compaixão.
Então Paulo com ternura diz:- Vamos, meus amiguinhos, Daremos roupas novas comida, e depois veremos o que podemos fazer por vocês;
Ângelo sentiu uma alegria imensa, e brota em seus olhos, uma luz intensa, com um largo sorriso, ele diz a Marcos e Julho:- Agora vai ficar tudo bem, não passaram mais fome e nem frio, pois este casal os amara , e os te abrigaram , serão bons Pais para vocês, meus amiguinhos.
Ao chegar até a casa de Doroti, e Paulo, Marcos e Julho, olha deslumbrados com tanto conforto, seus olhinhos brilhavam de alegria, e ao olhar para Ângelo ambos indaga:- Obrigado Ângelo;
Neste momento Doroti exclama:- Venham meninos preparei uma mesa farta, para que possam saborearuma comida deliciosa ;
Paulo e Doroti, de repente começam a sentir afeto, por Marcos e Julho.
Ângelo ao ver que o casal, jamais iria desamparar os garotos.
Toca nos ombros de Doroti e Paulo, e de suas mãos uma luz brilhante aparece, e os iluminam.
Marcos e Julho se dão conta que Ângelo está se despedindo então Julho pergunta:
-Vira nos visitar novamente um dia ?
Quando menos esperarem estarei aqui meus amigos!
-Meninos com quem estão falando? Pergunta Doroti, surpresa.
-Com ninguém Senhora Doroti, apenas, estamos se deliciando com sua comida, está o Maximo.
-Garotos querem morar conosco , Paulo e eu já nos decidimos, iríamos aos orfanatos, em busca de um casal para adotar, mas vejo que Deus ouviu as minhas preces;
-Não se importa das ruas ter sido a nossa casa por muito tempo?
Pergunta Marcos.
-Tudo isto agora vai ficar para traz, vamos cuidar de vocês, não mais passaram necessidades.
Marcos e Julho os abraçam, e quando olham para Ângelo, lágrimas caem de suas faces , e com um leve sorriso Marcos e Julho agradece mais uma vez a Ângelo, que vai desaparecendo em meio a uma luz intensa.


Claudinéia Verneque