Havia um casal de jovens apaixonados,



Prestes a terminar o relacionamento,



Mas temendo sofrer a desilusão do rompimento,



Procuraram falar com um velho ancião,



Ele os recebeu e sentado apoiou seu queixo em seu cajado,



E ouviu as reclamações e acusações dos dois,



Terminado a fala, ele se levantou, e seu próprio silêncio,



Os convidou a segui-lo, subiram por trilhos tortuosos,



E com pedras pontiagudas o jovem rapaz feriu a perna,



A jovem moça maternal, com um lenço em seu cabelo,



Estancou o sangramento, mas mesmo em silencio,



O jovem acenou para ela em agradecimento,



E continuaram a seguir o velho,



Já no alto a jovem moça cansada se desequilibrou,



E antes de atingir o solo, seu companheiro a aparou,



Ela tímida, com o olhar esquivo, e semblante rosado, sorriu,



Mas mesmo em silencio continuaram seu percurso,



Chegando ao topo, o ancião paciente esperou,



Eis que apareceu uma folha ao vento,



Brincando, voando, serena e veloz,



Bailando no palco do firmamento,



Eis que passaram por eles e sumiu no horizonte,



Então o velho quebrou o silencio,



Vocês viram a folha ao vento,



Eles responderam: sim sábio ancião,



Então ele continuou:



A folha sem o vento não voa,



 Cai ao solo, e
sozinha não se levanta,



O vento sem a folha não consegue expressar,



Toda sua beleza de movimentos no firmamento,



E juntas percorrem até sumir de vista no horizonte,



Sejam vocês dois como a folha e o vento,



Brinquem, cuidem-se, percorram caminhos juntos,



Encontrem um no outro, apoio e proteção,



E deixe todos verem, como é forte o amor e a união...