Entre espinhos e rosas, numa curva sombria,Eu me vejo,Não sei para onde ir;Em um lado, solidão, neblina e mistério;No outro lado o luar entre as folhas secas e brilhantes, um vento gelado e um assovio agudo, sonoro e melancólico, constante.Penso... , escolho o caminho, (será o certo?).De onde vem esse assovio? Sigo para a passagem prateada, em direção ao assovio, onde ele vai me levar?Afasto as folhas e galhos; meus passos ecoam no ar gelado;Escuridão...; Só a lua, intensa me ilumina.Deparo-me
com mais curvas e passagens, o ar fica mais gelado e úmido; ouço passos
distantes; um forte cheiro de dama-da-noite me invade, trazendo
lembranças;Olho para os lados, só vejo paredes de arbustos; olho
para cima, bem distante brilha uma lua enorme; olho para baixo, pétalas
de rosas brancas por toda a passagem;Um medo me assalta (porque eu estou aqui? Não consigo me lembrar!).O assovio muda de tom, é mais agudo, sinistro e ainda mais melancólico;Paro;
estou em frente de uma porta coberta de galhos secos. Não sei o que
fazer, passo a mão sobre os galhos, eles cedem facilmente; a porta está
livre.O assovio vem de lá, meu coração dispara, pressente alguma coisa.Empurro a porta, olho para dentro, vejo um jardim todo florido.Lembro-me desse lugar, já estive aqui antes!Entro,
a porta se fecha, estou trancada aqui dentro. Silencio, o assovio
cessa, olho em volta; banquinhos de pedra por todos os lados, uma enorme
variedade de flores; há uma fonte bem no centro do jardim, o borbulhar
da água me desperta, vou chegando mais perto, em direção a fonte, a água
é cristalina e se derrama em forma de cascata.Ouço um som estranho,
que vem de traz de umas folhagens, vou até lá, vejo uma pessoa sentada
em um balanço que vai de lá para cá movido pela força do vento. Só
consigo ver as costas da pessoa; vou chegando cada vez mais perto paro
bem atrás da pessoa, é uma mulher, muito familiar, toco de leve em seu
ombro; ela se vira lentamente e olha pra mim.Um terror me invade, a mulher em cima do balanço sou eu;- Estava te esperando; Disse ela;- Quem é você? Eu perguntei.-
Eu sou você, este é o jardim da sua alma, você acabou de passar pelo
labirinto do conhecimento do seu próprio eu!       E eu, eu sou real, você,
você é apenas um fruto da minha imaginação.