Noite Felina

13 de Novembro de 2013 Priscila Pereira Contos 863

     A noite estava sombria e fria, um vento gélido assobiava uma canção
plangente, a lua outrora totalmente coberta pelas espessas nuvens,
agora brilhava em toda a sua extensão. Kesiah admirava a noite da sacada
de seu quarto, olhava para o céu como a procurar um sinal, estava
impaciente.  Era uma mulher jovem ainda, tinha vinte e um anos, mas não
se parecia em nada com outras moças de sua idade, que só pensavam em
casamentos, fortunas e prazeres, não, ela preocupava-se com outros
assuntos.     Sua figura era esbelta, mas de pequena estatura, sua
pele muito alva, mostrava claramente que quase nunca saía a luz do dia,
era decididamente noturna. Seu vestido preto acentuava ainda mais sua
extrema palidez e suas olheiras, tinha o cabelo longo e cacheado, preto
azulado, parecia uma bonequinha de porcelana, mas de aspecto gótico e
nada amigável.     Morava sozinha em um pequeno castelo herdado de
parentes distantes, governava com mão de ferro sua casa, que era
prospera e distinta. Kesiah era quase uma lenda em sua cidadezinha, pois
todos já tinham ouvido falar sobre ela, mas quase ninguém a tinha
realmente visto. Ela gostava dessa onda de mistério que a cobria,
gostava de tudo que fosse misterioso, não gostava do óbvio.     Seu
pensamento vagava pela noite, seus olhos procuravam incessantemente na
escuridão prateada pela lua. Já está quase na hora, pensou.  Sua gata
Katie esfregava na saia de seu vestido, ronronando. Pegou Katie no
colo e acariciou entre as orelhas enquanto falava docemente: Logo
todos estarão aqui, se acalme. Deu mais uma olhada noite afora e já
conseguia vê-los. Vinham de todos os lados, eram de todos os tamanhos,
cores e raças.     Os olhos de Kesiah brilhavam de um êxtase febril,
um raro sorriso desabrochou em seus lábios antes pálidos e agora
vermelhos e pulsantes. Continuou acariciando Katie que agora já não
ronronava, olhava atentamente a multidão de gatos que se formara ao
redor do castelo. Bem na hora, disse levantando Katie e
mostrando-a para a gataria. Todos os gatos começaram a miar em uníssono,
até parecia uma canção funesta.     Nesse exato momento, um arrepio
corria pela população da pacata cidadezinha onde viviam, um
estremecimento que pairava sobre eles sem razão aparente. Kesiah quando
era criança tinha achado uma gata siamesa à beira da morte, tinha
acolhido a gata como a um filho, cuidado dela até que se recuperou
totalmente, colocou-lhe o nome de Katie, viveram juntas por muitos anos,
assim que completou vinte e um anos pela primeira vez, viu que sua
amada Katie era especial.     De dez em dez anos esse mesmo
ajuntamento ocorria, cada gato doava uma de suas vidas àquela que tinha
salvado da morte  a gata escolhida, nomeada guardiã de todos os felinos,
sendo assim Kesiah completava seu quinto aniversário de vinte e um anos. 
   Assim que a canção felina cessou, Kesiah colocou Katie no chão; já se
sentia mais forte, seu vigor tinha voltado, suas faces agora tinham um
tom rosado sadio e suas olheiras tinham desaparecido. Olhou os gatos
indo embora, para todos os lados.  A noite voltou a ficar vazia e calma,
só o vento continuava a soprar, as nuvens encobriram novamente a lua,
Kesiah olhou para Katie e disse: Hora de entrar mocinha, somos apenas eu e
você novamente. Entrou no quarto e fechou bem as janelas.


Leia também
" Amar é" há 2 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 11 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 32


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 12 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 17 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16