O Pai e o Filho

14 de Novembro de 2013 Priscila Pereira Contos 6904



  O Pai aguardava ansiosamente o momento tão
esperado de reencontrar seu filho, que antes nunca tinha passado um dia sequer
longe dele. Não havia gostado da ideia de manda-lo para tão longe, e por tanto
tempo, mas fora preciso, indispensável até, se ele não tivesse ido, as
consequências seriam catastróficas, teria perdido para sempre sua tão preciosa
criação.

  Nesses trinta e três anos de ausência de seu único filho, o Pai manteve contato
regularmente por carta, longos manuscritos que eram devorados e decorados pelo
Filho, que por sua vez não deixava um dia sequer de conversar com seu Pai;
separava longos momentos de seu dia para poderem falar a sós e era como se
nunca se tivessem separado.

  O Pai sabia que logo o Filho retornaria para casa, mas sabia também o que custaria para
seu amado filho esse regresso. Quase não aguentou ouvir seu filho pedindo com
lágrimas a escorrer pela face, a voz embargada, se poderia voltar para casa sem
cumprir a ultima tarefa, mas como um filho obediente que era, disse também que
a vontade do Pai fosse feita, mesmo que lhe custasse tanto.

 Finalmente estava acontecendo. O ultimo grande sacrifício do Pai, teria
que abandonar seu filho, por algumas horas apenas, mas como isso era doloroso,
quase insuportável. Ficaria sem contato algum, teria que deixa-lo sozinho. Pôde
ouvir seu grito de dor na distância: - Pai, porque me abandonaste? -  Seu coração quase se derreteu como cera, nunca sentira uma dor tão profunda, mas sabia que era preciso, para um bem
maior, sua criação andava perdida e sem esperança de salvação, por isso tinha
preparado para eles um único caminho, uma única salvação.

  Quando o Pai pensava que não teria mais forças para aguentar a saudade, eis que a porta
se abre e surge o Filho, resplandecente como o sol, sua face demonstra a
profunda paz de quem passou por uma provação quase insuportável e conseguiu a
vitória. Olhou seu Pai com todo o amor que seu imenso coração guardava e disse:
- Está consumado! - 

 O Pai corre ao seu encontro e o abraça apertado, com lágrimas nos olhos olha as mãos do Filho, e pelos buracos que estavam nelas pode perceber que tinha acabado, o Filho tinha
enfim voltado de vez para casa e nunca mais se separariam. Através do
sacrifício do Filho, novos filhos viriam e a casa estaria sempre cheia.

“Mas, a todos quantos o receberam (o Filho), deu-lhes o poder de serem feitos filhos de
Deus, aos que creem no seu nome.”João 1:12




Leia também
"A decadência" há 2 horas

Numa decadência sem fim. não paro de cair. Esta tudo muito escuro aqui,...
joaodasneves Poesias 7


"A Parede" há 2 horas

Esta parede que nos separa Tem que cair, assim falaremos de ti de mim Olh...
joaodasneves Pensamentos 5


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6