Sobre pratos e sob lençóis

16 de Novembro de 2013 Eder Ribeiro Contos 943

Eles formavam um casal que no século passado era chamado de par perfeito. Anelados há meio século, amam diferentes dos casais do século atual, com pudores e amores. Ele engabelava-se tanto com o cozido de sua esposa, carne suculenta servida em pratos da mais pura porcelana chinesa, mexida e remexida em talheres de prata, satisfazendo o seu paladar; quanto com outras partes de carne untadas em cremes importados, mexidas e remexidas sob lençóis lavados com fragrâncias florais, satisfazendo as suas concupiscências. Contudo, bastou ele conhecer uma bonne cuisinière français, experimentar o sobrecu da galinha cozido no forno à lenha e dourado com azeite extra virgem português em forno de microondas para mudar de sabor e amor. E foi um tal de experimentar Coq au vin, Ratatouille, Quiche lorraine, Fricassee, Cassoulet que o cozido e os lençóis da esposa foram dispensados entre arrotos e vômitos. A cusinière, que de boba só tinha o sobrenome, Marie Bôbou, servia-lhe o seu prato mais apetitoso, pescoço, preparado no idioma pátrio, o francês, e consumido no idioma português sem a necessidade da tradução. Engabelado por fino trato comendo do melhor prato, ele ficou de quatro pela francesinha, empapuçando-se do cozido, assado, frito e alguns crus para não enfastiar com a rotina. Como foi dito, a francesinha não tinha nada de boba, cozinhou a fortuna do comilão a banho-maria, quando o cozimento secou a fortuna, dispensou-o como dispensaria carne de segunda se tentassem enfiar na sua cozinha. Passando à míngua, sem nenhum cozido para se apetecer, ele voltou para casa tentando satisfazer-se sobre pratos e sob lençóis. No entanto, após a separação, a sua esposa, para não desperdiçar o seu cozido, ofereceu-o a todos os comensais, conquanto, isso trouxe muitos dissabores e poucos amores. Frustrou, ao saber que a sua ex-esposa havia fugido para as Américas após experimentar um hot-dog. Agora ela vivia prazerosa e feliz, não necessariamente nessa ordem, enfiando com as mãos, a salsicha de volta à boca que teimava a sair entre os seus lábios melecados de maionese.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 9 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 6


LAMPEJOS há 10 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 7


Deixe Esse Amor Crescer há 1 dia

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 37


Ás palavras não são mais meu legado. há 1 dia

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 8


Não há o que comemorar. há 1 dia

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 7


A vida depois daqui! há 1 dia

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 9