Tempestade

09 de Dezembro de 2013 Pierre Souza e Lima Contos 904

Um pequeno barquinho e um pescador no meio do mar e buscar o sustento de casa. Os ventos estão uivantes a popa aquela noite, ele sabia que teria que deixar mais do que levou para poder voltar para casa vivo. Sua vida corria perigo.

 Seu barco já não suportava mais a força colossal do mar, mas não, do barco não saiu.

O dia amanheceu e o barco está intacto, o pescador em casa deitado em sua rede, com o cheiro de peixe... Tudo ficou branco em sua frente, apenas pode sentir que estava deitado em uma mesa de pedra e já não conseguia enxergar. Gritou por socorro até que abriu os olhos, um rosto de uma mulher em sua frente.
Os olhos eram grandes, foi o ultimo sorriso que ele viu.
Até voltar para um barquinho no meio do mar em busca do sustento de casa.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Obedecendo o Vento há 9 horas

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 26


"Verão na Europa" há 11 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 5


"Maria Emília" há 13 horas

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 7


"Sou" há 14 horas

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 7


"Livro sem letras" há 16 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 8


Amor há 18 horas

Quando Jesus diz que aquele que o ama é quem guarda os seus mandamentos, o...
kuryos Acrósticos 8