O Mestre Chinês"São João da Cruz, doutor místico da Igreja, disse: “Onde não há amor, planta amor, e colherás amor”. Era uma jovem chinesa, que se casou e foi viver com o marido na casa da sogra. Depois de algum tempo, começou a ver que não se dava bem com a sogra; os temperamentos eram muito diferentes e ela se irritava com os hábitos e costumes da sogra. As coisas foram piorando e a vida se tornou insuportável. Mas, na China, segundo as tradições antigas, a nora tem que estar sempre a serviço da sogra e obedecer-lhe em tudo. Mas a moça não aguentava mais, então, foi consultar um velho Mestre. Depois de ouvir a jovem, o Mestre pegou num ramo de ervas e mandou que ela começasse a colocar aquela erva venenosa aos poucos na comida da sogra, misturando na comida para envenená-la lentamente, sem que percebesse. E mandou também que ela tratasse muito bem a sogra todos os dias, com amizade, sem discutir com ela, ajudando-a a resolver todos os problemas da casa, para que ninguém suspeitasse dela, quando a sogra morresse. Durante várias semanas a nora serviu, dia sim, dia não, uma refeição preparada especialmente para a sogra, “com todo carinho”, colocando um pouco da erva a cada dia. E, como recomendou o Mestre, controlava o temperamento, obedecia à sogra em tudo e tratava-a como se fosse a sua própria mãe. Um tempo depois, toda a família estava mudada. A nora controlava o seu temperamento e já não se aborrecia, e nem mais discutia com a sogra, que se mostrava amável com ela. Começaram a se tratar como mãe e filha. Então, a moça foi procurar o Mestre, para lhe dizer que não queria mais a morte da sogra com aquele veneno. O Mestre sorriu, abanou a cabeça e disse: “Lin, não te preocupes. A tua sogra não mudou. Quem mudou foi você. As ervas que te dei são vitaminas para melhorar a saúde. O veneno estava nas tuas atitudes, mas foi sendo substituído pelo amor e carinho que você começou a dedicar-lhe”. Na China, há um provérbio que diz: “A pessoa que ama os outros também será amada”. E os árabes dizem: “O nosso inimigo não é aquele que nos odeia, mas aquele que nós odiamos”. “Plante sementes”. “Não espere o resultado imediato... colha com paciência”. É um investimento que jamais se perde. Se as pessoas não ganharem, você, pelo menos, ganhará: a consciência de que fez o melhor."