Vai explodir, vai explodir !!!

27 de Dezembro de 2013 Mostradanus-Gyn Contos 1097



VAI EXPLODIR... VAI EXPLODIR !


Uma aventura no Rio Araguaia ou na beira de um lago



Protagonistas: Eu, Wanderley e Luiz Carlos Siqueira da
Hannover Tecidos da Moda, Jaime e Histênio, O Barriga, O Chiquinho, etc


Depois de estar morando em Goiás por bem mais de 20 anos e
antes de vir, sem nunca ter molhado os pés nas águas do Rio Piranga em Ponte Nova, MG, minha terra natal  e sempre resistente a idéia de ficar em beira
de rios,  fui finalmente conhecer o
majestoso Rio Araguaia, com todos os requintes que a tecnologia moderna
oferece.

A insistência sempre foi e ainda é muito grande por parte dos amigos
que aqui conquistei, mas a  verdade é que
eu sempre detestei ficar segurando vara de pescar por duas  ou três horas seguidas em beira de rio,  assistindo aqueles peixinhos malandros roubar
a isca, que dá um trabalho danado pra repor. Fiz um passeio em Formiga há cerca
de 25 anos quando me reuni com meus primos Célio e Sodiel e mais
uma turma boa, mas somente ficou a lembrança das cervejas e das brincadeiras e
do Galdino comendo uma cebola num canto da sala, porque havíamos esquecido a
comida na cidade. De
peixe mesmo, não me lembro.



Meu negócio definitivamente não é ficar dando banho em
minhocas mortas, ressecadas ou gosmentas. Sempre apreciei de fato as areias
brancas de Cabo Frio, ou Guaraparí ou o tapete verde da minha mesa de sinuca ou
o azul limpinho da água da minha piscina ou de uma mesa redonda para um bom
jogo de canastra.  Lar, doce lar, sempre
fui amarrado à minha família e a minha poltrona.


Esse pavor de beira de rio sempre foi muito mais pelos
mosquitos que ficam ali a fim de chupar o meu sangue que parece ser o preferido
de todos eles. Se eu estou, a mosquitada faz a festa, parece que o meu sangue é
do tipo especial, mais saboroso, mais doce e assim, o mais desejado. Mas isto,
absolutamente não me envaidece, me deixa sim, irritado porque detesto ser o
prato preferido em banquete de insetos.


Mas enfim chegamos em Aruanã, 300 kms. de Goiânia que tem
uma população de 3.500 habitantes, mas que nos feriados e fins de semana deve
chegar a 30.000 por causa dos Goianos sem nada que fazer nos fins de semana ou
que querem ficar livres de muitas coisas que não vale a pena mencionar, pois
não sou psicanalista e assim nos instalamos no famoso hotel Cangas e o
simpático anfitrião dono da pequena pousada, o Eurípedes veio nos receber
pessoalmente. Carregamos bagagem e tralhas pra dentro dos aposentos simples e
rústicos e já se podia ouvir o estalar das latinhas de cerveja pipocando no ar.
Depois de um almoço diferente com peixes fritos da região e algumas carnes
exóticas (uma farofinha de carne desfiada) e um pequeno descanso partimos para
a etapa seguinte.


Um passeio de barco para fazer o reconhecimento do terreno,
era o que eu mais queria como marinheiro de primeira viagem e assim fui atendido,
cervejas geladas e repelentes se misturavam às varas e molinetes e a aventura
começava, com todos seguindo à risca as recomendações de segurança com
salva-vidas etc.

Dizem que o mundo vai ficar sem água doce e eu digo a vocês,
quem conhece o Rio Araguaia deve ficar morrendo de rir desses ativistas que não sabem o que dizem.

Sem falar no fato de que olhar pras margens do Araguaia, me dá um calafrio só de pensar que por ali muitos cemitérios improvisados pela ditadura militar ainda guardam ossadas de herois da resistencia ao golpe e que sequer talvez tenham tido um enterro digno.


Mas... a vida continua e o meu causo também.

Eu com um tênis branco, novo, importado já começava a ser
“repreendido” pelos amigos e alguns gritavam: 
- vamos batizar esse tênis. Mais à frente eu faço um pedido que não
deveria ter feito:



- Dêem uma parada ali na frente que eu quero  tirar a água do joelho. Ah... pra que ?



Quase me mataram. Alguns riam e queriam levar esse mineiro
fresco de volta pra Goiânia e outras coisas desse tipo. Outros vociferavam:
Jogue esse mineiro comedor de queijo dentro do rio pras piranhas (rs).


Eu agüentei o tranco e o pior estava pra acontecer. Pararam
numa clareira, encostaram o barco e eu teria que descer e chegar até a praia.
Disseram-me:



-  pode pular isso é
terra seca. Pode “irriga-la” à vontade. Como é que eu pude acreditar naquilo?.


Pulei e atolei meu tênis novinho uns 40 cms. pra dentro do
barro e gritei apavorado: Estou afundando..E todos caíram na gargalhada. Quando
vi que parei de afundar, aliviado, olhei pra frente um filhote de jacaré me
encarando e surpreendentemente se assustou e correu. Foi um pesadelo. Fiquei
traumatizado o tempo todo. Eu nunca havia enfrentado um filhote de jacaré a
dois metros de distância, com o pé atolado, imobilizado, e talvez a expressão
do meu rosto, o pavor que vinha dos meus olhos, tenha assustado o pobre
bichinho.


No dia seguinte fomos acampar antes de Cocalinho e o
Wanderley geléia, também chamado pé de ema, 
o mais encapetado de todos me recomendou que fincasse a minha barraca,
próximo à margem da lagoa porque era mais seguro.



Que fincar barraca coisa nenhuma, fincaram pra mim. Eu achei
que era fácil armar uma barraquinha daquelas, levei uma surra, pois quanto mais
nervoso, menos você raciocina.



Enfim armaram a barraca pra mim e fiquei finalmente ali
sozinho (eu e uma lanterna com pilha fraca que logo se acabou) e  numa escuridão danada, sem experiência e o
sono não chegava, quando o silencio na madrugada já me deixava maluco, eu ouvi
barulho entre as folhas e um som parecido com um ronco e que foram se
multiplicando e o barulho confuso, longe, de alguns passos.



Pensei, vem aí um porco do mato e vai me transformar do seu
prato predileto. Rodeou, rodeou a barraca e meus batimentos cardíacos devem ter
ido a 140, ou mais sei lá, a ponto quase de enfartar-me. O grito de socorro não
saia, também pedir socorro pra quem? E o complexo de superioridade que fala
mais alto? “Eu sou macho e não vou aqui dar meu braço a torcer mais uma vez”.
Ainda mais, pra uma turma de bêbados e “inimigos” que queriam me ver ganhar
experiência ou sei lá acabarem com o meu amor próprio de vez e pasmem, no
fundo, no fundo, apesar das brincadeiras de mau gosto, todos ou quase todos,
achavam que eu estava adorando aquela aventura e que com certeza eu voltaria
mais e mais vezes.


Os roncos sumiram, adormeci vencido pelo medo e cansaço e no
dia seguinte todos me perguntando se eu não ouvi o barulho das siriemas que
deviam ser umas quinze passeando entre as barracas.



Eu disse, aliviado: Ah... Foram as siriemas sim, eu estava
muito cansado e dormi.



No dia seguinte, fomos à pescaria. Lambuzamo-nos de óleo,
estávamos munidos de repelentes, etc e finalmente aprendi a pescar e até dirigi
a lancha e fiquei encantado com a minha audácia e já começava a tomar gosto,
quando percebi que a noite chegava novamente e olhando o céu percebi que um
temporal ameaçava chegar junto e sem pedir licença.



Todos na barraca, contando piadas, bebendo, outros contando
vantagem dos peixes que haviam fisgado e outros elogiando a minha postura de já
ter perdido a compostura e ter feito pipi várias vezes de dentro do barco mesmo
e tentaram acender o lampião e a noticio ruim era de que o gás havia acabado e
estava muito tarde pra voltar ao hotel e pegar o outro botijão que estava na
caminhonete.



Foi ai que eu me lembrei que um cara prevenido vale por
dois. Na minha sacola de tralhas havia dois pequenos bujões desses
mini-lampeões e galhardamente os apresentei e fui saudado com o salvador da
pátria.


Quando fui encaixá-lo, acho que muito nervoso eu o enrosquei
de banda e aquele gás branco começou a sair chiando e o Wanderley geléia,
aquele sacana, gritou VAI EXPLODIR... VAI EXPLODIR...



Eu sem mais nem menos, apavorado joguei o bujãozinho dentro
do lago. Todos riram e diziam esse mineiro tem jeito não. Oh!!! Mineiro
desajeitado, etc.



Eu disse: Isso é o que vocês pensam: Eu tenho outro aqui de
reserva e esse não vai falhar, vai ser nossa salvação: E todos olhavam e
sussurravam, riam, cochichavam e eu parti pro encaixe.



Novamente encrencou e o Wanderley de novo: VAI EXPLODIR...
VAI EXPLODIR


Não funcionou, realmente não era o meu dia de salvador da
pátria e eu joguei o segundo bujãozinho fora, com medo daquela merda explodir
mesmo.


O clima, não ficou bom, e decidiram voltar pro hotel e não
acampar naquela noite e na volta 18 kms rio acima e com tempestade, mas
chegamos não sei como.


No dia seguinte, pra me sentir mais seguro eu disse :
Wanderley, eu vou ficar por aqui mesmo no hotel e vou me sentar aqui na margem
e pronto. Amanhã nós vamos embora mesmo e assim eu não preciso me arriscar
mais.



Mal comecei minha pescaria e os mosquitos invadiram meu
braço de um jeito que o campo de pouso ficou lotado. Não havia mais lugar pra
nenhum mosquito mergulhar e morder.



Cai na besteira de olhar pro Wanderley e dizer: Olhe só como
esses mosquitos gostam de mim.


Ele como sempre sarcástico e gozador, me disse: Isso é
psicológico, não tem mosquito algum no seu braço,  você está apavorado a toa e com medo e fica
inventando coisas.


Eu disse, filho da... e entrei pro restaurante do hotel e
enchi a cara.



Querem saber ? Nunca mais fui pescar na minha vida. Vendi
minha barraca, meu molinete, varas, anzóis, lanternas, lampião, muitas miudezas
dei de presente, enfim foi um pequeno investimento na época de quase R$1.500,00
jogado fora.


Valeu a pena? Claro que sim. Ninguém fala mais em pescaria
comigo. Fiquei livre de todos os pescadores aqui de Goiás. Pra não dizerem que
estou mentindo, encontrei-me com um deles ontem na Chácara Cedro, aqui em
Goiânia, na comemoração do dia Panamericano do Representante Comercial, promovido
pelo SIRCEG, com farta comida e muito chopp e ele me disse que o tempo faz a
gente esquecer os desajeitados e que eu estava perdoado(rs) e que numa próxima
ele faz questão de me convidar para que eu de uma vez por todas me convença de
que pescaria é uma ótima diversão.


Fiquei caladinho e mudei de assunto.




Leia também
O CAMELO QUE DECLAMA NO ZOOLÓGICO DE RECIFE há 2 horas

O poeta quando escreve seu trabalho inspirado faz a narração dos fato...
carlosale Cordel 6


A madrugada… há 12 horas

A madrugada e eu temos um romance a longo prazo… Nos entendemos e nos cu...
anjoeros Poesias 14


Vou tatuar a tua boca... há 12 horas

Quero tatuar na tua boca Meu beijo mais safado, mas também apaixonado, ...
anjoeros Poesias 8


Quero te pegar para mim...Capítulo 3 há 12 horas

Capítulo 3: Eu te quero pra mim e não vou abrir mão... Toco a campain...
anjoeros Prosa Poética 9


Quero te pegar para mim...Capítulo 2 há 12 horas

Capítulo 2: A expectativa mata... Meio dia. Nossa, nem acreditei quando...
anjoeros Prosa Poética 7


Quero te pegar para mim...Capítulo 1 há 12 horas

Capítulo 1: Decisão tomada, arrependimentos posteriores... Mais uma no...
anjoeros Prosa Poética 9