Eremita

01 de Agosto de 2011 Ariano Contos 946

O homem tentava, tentava... E mais uma vez, por via das dúvidas. De repente, percebeu para seu espanto a tão óbvia, dolorosa e apavorante verdade — esta, já desenhada com dez mil cicatrizes por sua carne e sensibilidade, assim como pelas de outras tantas desafortunadas cobaias: ele não era devidamente equipado para namorar.

Acordou para o fato de que relacionar-se era uma habilidade adquirida — ou casual dom. E ele não possuía o talento inato; tampouco, os atributos mínimos para ser, sequer, capaz de treinar-se a um nível aceitavelmente humano.

Decidiu, pois, deixar os outros viverem felizes e em paz na aldeia da normalidade. E partiu: unitário, solo, sozinho, simples — como unicamente poderia.



- - -
www.homensqueamam.blogger.com.br

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
LUTA ARMADA há 16 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 5


Paz Celestial há 1 dia

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 12


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 2 dias

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 61


Poema Suado há 2 dias

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 50


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 20


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 15