Requeim

18 de Abril de 2014 Pierre Souza e Lima Contos 667

Pobre rapaz, pobre rapaz, abraçou a morte e se lançou no mar.

Quem conhecia diria que era de se esperar.

Diziam que suas expressões eram só de melancolia.

Descreviam seus olhos como negros, com olheiras profundas de dor.

Sempre embaixo de um capuz, sempre se escondendo de todos.

Vivia aprisionado dentro de um quarto, trancado com sua solidão.

Se afastava de todos por ódio, engolia todos os dias doses amargas de agonia.

Sua mente era uma confusão, não tinha amigos, não tinha irmãos

Os pais estavam mortos e ele morava com seu padrinho.

Que nem sequer ligava para o rapaz, ninguém ligava para aquele rapaz.

Sua vida tinha se transformado em um redemoinho, que girava em torno de dor.

O rapaz se prendia a seu ódio pela morte dos pais, se culpava pela morte e ausencia dos pais. 

Todos os dias remoia suas fantasias, desejos e medos, e isso o confundia infinitamente.

O sangue manchava o caperte do quarto, quando em um ato desesperado.

Cortou a garganta de seu padrinho e se lançou da janela do seu quarto. 

 

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Bendito Amor Eterno há 19 horas

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 11


"Vendo" há 21 horas

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 7


"Te amo vinho tinto" há 23 horas

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 9


Gradeados há 23 horas

O céu está logo ali, depois dessa janela enjaulada... Meu amor é qua...
a_j_cardiais Poesias 50


Vida Artística há 23 horas

Não quero viver ao Deus dará... Sei que aqui, em se plantando tudo dá....
a_j_cardiais Poesias 41


"Eu sou boémio" há 1 dia

Eu em criança já era rebelde e um pouco vadio. Usufruía da noite, mesm...
joaodasneves Acrósticos 5