O sumiço de Fabinho

24 de Maio de 2014 Sibila Contos 1150

Moro no térreo de um condomínio da Avenida Principal e no meu prédio, no apartamento de cima mora minha querida vizinha Eliane, solteira, trabalhadora e mãe de dois filhos, o Fábio com 7 e a Fabiana com 10 anos.

Eliane fica das 7h da manhã às 18h fora de casa todos os dias da semana e seus filhos lindos, que sempre amei, quando não estão na escola estão na minha casa ou na casa da vizinha do 3° andar, a Clarice. Todos no condomínio a admiram e gostam muito de seus filhos, uns fofos.

Minha querida vizinha sempre foi uma mãe muito dedicada, e ama demais seus filhos, sempre
empregou todo seu esforço para educá-los da melhor forma possível e garantir a sua pequena família uma melhor qualidade de vida.

Eliane é muito caprichosa mantém tudo muito arrumado, dedicando-se as tarefas domésticas durante a noite depois de um dia exaustivo de serviço.

Semana passada Eliane comprou armários novos pra sua cozinha, lindos!! Brancos, as crianças adoraram a cozinha que ficou ainda mais bonita, realmente ficou um charme.

Num ato de generosidade e carinho com sua mãe, Fabinho resolveu arrumar a cozinha com intuito de isentar a mãe dessas tarefas e dar a ela uma oportunidade de descanso após dia cansativo de trabalhado e para o serviço o garoto utilizou palha de aço e sapólio, e se empenhou em fazer a mais caprichada faxina nos armários novos.

Dá pra ter uma ideia de como ficou a pintura desses armários novinhos? Dá pra imaginar como Eliane ficou quando viu o estrago? E quando se deu conta do prejuízo!?...

Eliane ficou uma fera, esbravejou, berrou, disse que ia “matar” Fabinho, que lógico ficou apavorado, nunca viu sua mãe brava daquele jeito.

A mãe não compreendeu o gesto solidário do filho e nem o filho compreendeu, que as duras palavras da mãe enfurecida passaram apenas de boca pra fora.

No dia seguinte a rotina da casa se manteve, todos saíram cedo de casa, a mãe para o trabalho e os filhos para escola, que era próxima ao condomínio.

Quando deu meio dia Fabiana já estava em casa, mas Fábio não. Então fui à escola para saber o porquê do atraso do menino, cheguei lá e minha surpresa foi gigantesca, a orientadora educacional me informou que o garoto não tinha comparecido à escola naquele dia, porém se comprometeu em ajudar.

Meu Deus do céu! Meu desespero foi instantâneo, senti um calafrio, onde estaria aquele garoto tímido, franzino e indefeso que saiu cedo para estudar naquela manhã?!...

Voltei mediatamente pra casa e perguntei pra Fabiana sobre o irmão, que me disse que não tinha o visto na escola e que não sabia de nada, então mandei que fosse até seu apartamento pra procurar alguma pista do paradeiro de seu irmão, a menina constatou que o moleque havia tirado todo o material de sua mochila, pois estavam todos dentro do armário, e que os dez reais que tinha guardado não estava mais no lugar.

Nesse momento a orientadora da escola me ligou dizendo que um amiguinho que estava a caminho da escola pela manhã, encontrou o coleguinha no ponto ao descer do ônibus, e descobriu que Fabinho queria fugir pra Vila no centro da cidade.

Então sem saber exatamente o que fazer, agi intuitivamente, avisei nossos vizinhos do sumiço de Fabinho e decidimos chamar Eliane somente depois de averiguarmos todas as opções de localização do menino, todos se mobilizaram em sua busca, a informação dada pela orientadora foi preciosa, porém existiam outras alternativas, como procurar o garoto nas praças, ruas e casas dos amiguinhos mais próximos e nos bairros vizinhos.

Nessa de procurar daqui, ligar de lá, perguntar pra um e pra outro, o tempo foi passando e nada do menino, já eram quatro horas da tarde, então resolvi tomar um banho, me arrumar e ir até a Vila tentar encontrar o fujãozinho.

Quinze para as cinco da tarde, eu dentro do ônibus, sentei no segundo banco próximo à saída do veículo no lado oposto ao motorista e no mesmo onde fica o cobrador, pensando na possibilidade de não encontrar o menino, e olhando a paisagem da cidade à medida que o ônibus seguia seu caminho, confesso que nessa hora me deu pânico com o que poderia acontecer com um menino sozinho e tão novinho, que não sabia se defender nas ruas da cidade, será que tinha se alimentado?! Sei lá! Passavam coisas na minha cabeça...o ônibus parecia não sair do lugar, que demora!!!

Passados um vinte minutos de caminho percorrido, eu olhando pensativa para o lado de fora, vi um garoto na calçada andando e chorando, no instante que o vi, não o reconheci, mas meus olhos insistiram em observá-lo e num segundo olhar, identifiquei Fábio, dei um pulo do banco e arrumei uma gritaria pedindo para o motorista parar o ônibus imediatamente que queria desce ali mesmo.

Saltei do ônibus alguns metros de onde o menino apavorado estava, saí gritando e correndo em sua direção, quando o garoto me viu veio ao meu encontro com a boca arreganhada chorando copiosamente e me abraçou tão forte, que emoção!! que alivio!!! Que alegria!!! Que tudo!!

Fabinho e eu nos abraçamos e choramos por alguns instantes naquela calçada, então me soltei dos bracinhos do menino e liguei para Eliane que já estava em casa aos prantos esperando notícias do garoto traquina, a mãe ao receber a notícia do aparecimento do filho nem conseguiu responder a ligação, só chorava emocionada.

No caminho de volta pra casa, dentro do ônibus ainda, sentindo uma alegria sem tamanho, refleti:- e se eu não tivesse saído de casa pra procurar o garoto na hora em que saí?... Se eu não tivesse tomado o ônibus que tomei?... Se não tivesse me sentado no lugar onde sentei dentro do ônibus?... Será que o menino seria encontrado?... Onde estaria nessa hora?

São perguntas sem respostas para os mistérios que acontecem diariamente em nossas vidas... Eu acredito em milagres, acredito que acontecem com muito mais frequência que imaginamos... e você acredita?...


Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
O PERDÃO DE DEUS há 2 dias

Todos estão afastados de Deus por causa do pecado, Deus sempre buscou u...
denilson Mensagens 21


A OBRA DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO A IGREJA há 2 dias

Habita na igreja como seu templo, É derramado como chuva sobre a igreja...
denilson Mensagens 22


Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos 2 há 2 dias

As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P2 Por Charles H....
kuryos Artigos 19


Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos 1 há 2 dias

As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P1 Por Charles H....
kuryos Artigos 26


A OBRA DO ESPÍRITO SANTO EM RELAÇÃO AO CRISTÃO há 2 dias

Habita em todo verdadeiro cristão e convence o pecador do seu pecado, R...
denilson Mensagens 17


MEMBROS DO REINO DE SATANÁS há 2 dias

As características dos membros do reino de Satanás, Adotam a increduli...
denilson Mensagens 22