Eu escrevi várias cartas. Cartas de amor, sobre nós dois, mas não havia alguém para quem eu pudesse entregá-las. Não existia mais um destinatário para recebe-las. De vez em quando eu ainda as leio, como se o que eu escrevi, pudesse ser revivido. Uma, duas, três vezes...