A gente vai se moldando a quem amamos, para nos tornar mais parecidos um com o outro. E dessa vez eu estava gostando do que eu havia me tornado, já estava me acostumando comigo mesmo. Não quero deixar de gostar daquelas balas de limão que derretem na boca, e se eu me apaixonar por alguém que goste de balas de café? Eu odeio balas de café. Vai que esse alguém goste de acordar cedo? Por Deus, eu odeio ainda mais acordar cedo. Ninguém faz ideia de como é bom acordar com um abraço seu lá pelo meio-dia. Não quero ter que me acostumar com outro cheiro, nem com outro beijo. Não quero ter que me acostumar com um novo eu, por que isso significa ter que me acostumar com um outro alguém que não seja você.