AMOR E MORTE NO CANGAÇO

06 de Março de 2012 UALISSON CANGACEIRO Cordel 2499

Lampião rei do cangaço
Por um amor se rendeu
E na grota dos Angicos morreu.

Cabra valente das matas nordestinas
Mais seu coração se rendeu
Ao amor de uma menina.

Amor que surgiu
entre tiroteio e morte
fazendo esse amor ficar
cada vez mais forte.

Maria bonita era assim chamada
mulher do capitão
a volante apelidava
e por muito inimigos adimirada.

Maria, destemida e forte
não sentia medo
nem temia a morte
carregava em seu sangue
a coragem da mulher do Norte.

Virgulino Ferreira o Lampião,
comandou por decadas
o cangaço no sertão
matava seu inimigos
sem dó no coração.

Já sabia que seu fim se aproximava
mais não sabia
que por uma emboscada
seria seu fim
ao lado de sua amada.


Leia também
SÓ PARA DIZER BOM DIA. há 2 horas

Fiz ao nascer da alva, Sob a luz que o sol irradia, Estes versos vindos d...
madalao Poesias 5


DEIXA-ME NO TEU VENTRE há 2 horas

Deixa-me, no teu ventre, eu ficar, Neste ninho de amor tão quentinho. L...
madalao Poesias 5


Equação do Amor há 2 dias

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 52


Qual é a Nossa Parte? há 2 dias

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 12


"Lagrimas" há 2 dias

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 12


Realidade, Deixe-me Sonhar há 2 dias

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 56