O PROGRAMA DO JÔ

17 de Agosto de 2011 ivanlimasp Crônicas 899

Sabe essas coisas na vida que te deixam relaxado e te levantam o astral. Pois é, para mim o Programa do Jô funciona exatamente assim.
Como é gostosa a sensação de leveza ao ir dormir depois de assistir ao programa. A maneira como ele apresenta as piadas, as curiosidades, os convidados e como conduz as entrevistas é extraordinária.
Me lembro do Jô comediante nos programas Faça Humor Não Faça Guerra(fazendo a célebre dupla Lelé e Da Cuca com o fabuloso Renato Corte Real), Satiricom, Planeta dos Homens, Viva o Gordo, com seus personagens hilariantes e com críticas inteligentíssimas ao sistema, mesmo na época da ditadura militar. Sem dúvida nasceu pra coisa. Mas conhecendo o Jô escritor, apresentador e entrevistador é que pude ter a dimensão de sua capacidade intelectual, sua perspicácia e sua sutileza. É de uma inteligência ímpar. Como escritor, tem uma imaginação fértil e faz com que a leitura se torne agradável e cativante. Mas é como apresentador e entrevistador que ele se supera. Conduz seu “Programa do Jô” com tal leveza que nem percebo o tempo passar, quando me dou conta já são duas da madrugada quando ele anuncia o famoso “beijo do gordo” e a platéia, com razão, solta aquele pezaroso “ahhhhh!” e eu também. Outro dia ele entrevistou uma garota de 15 anos, cantora e compositora de blues. A menina é muito talentosa, porém estava pouco à vontade em frente às câmeras. Mas não é que o Jô fez a menina se soltar e ela mostrou todo seu talento, apesar da nítida vergonha que sentia como dava pra se notar através de seus gestos nervosos. Ele tem a capacidade de deixar seus convidados à vontade, graças à sua experiência como comediante. Não há quem não ria a cada inferência dele.
O programa trata de assuntos sérios com a mesma leveza com que trata assuntos engraçados e esse é o seu diferencial, na minha opinião. Tenho um dia inteiro de trabalho sério, depois volto à casa e assisto aos noticiários sérios e nada melhor do que ao ir para a cama estar extasiado com gargalhadas espontâneas soltas à partir das piadinhas sobre os pseudo cabelos do Derico, das informações nada precisas do Bira, das trapalhadas do Alex, enfim, é uma equipe inteira pronta para fazer rir, mesmo as coisas mais elementares e corriqueiras tornam-se engraçadas nos comentários de qualquer integrante do programa. E a qualidade musical então, nem se fala. O tema de abertura é um presente aos ouvidos e as músicas apresentadas em cada edição são da mais alta qualidade, tanto pelo sexteto quanto pelos convidados. Neste momento, por exemplo, enquanto escrevo assisto ao programa e deleito-me com a conversa do Jô com o impagável Altamiro Carrilho e sua flauta encantada, dando umas palhinhas de seu repertório magnífico e soltando umas tiradas engraçadíssimas. Só o programa do Jô mesmo para apresentar uma preciosidade como essa.
Agora é hora de dormir. Mais uma vez estou me sentindo leve e vou ter um sono tranqüilo com certeza, graças ao poder restaurador do Programa do Jô. Amanhã já acordo de bom humor e não poderia ser diferente.

www.ivanlimasp.blogspot.com

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 2 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 2 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 4


Deixe Esse Amor Crescer há 17 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 33


Ás palavras não são mais meu legado. há 18 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 18 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 18 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7