Seus poemas,dentre as páginas de um livro,apareciam sempre de surpresa,

e era como se a gente descobrisse uma folha seca um bilhete de outrora

uma dor esquecida que têm agora o lento e evanescente odor do tempo…

A epígrafe, meio grande é verdade, retrata as dores que vem nos visitar de vez em quando.
Quintana escreveu isso sobre a sua amizade com Cecília Meirelles, e de fato as dores que vão e vêm são tão diversas quanto estranhas.

Algumas delas a gente simplesmente não lembra e quando a gente percebe... PIMBA!

É uma mistura de lembrança do que não houve com a saudade do que poderia ter sido. As vezes é um pouco mais concreta é mais real...

Dói mas sossega. Como diz o Quintana, tem o lento e evancescente odor do tempo. Nada com o tempo para sossegar as dores.

Infelizmente o mundo é muito pequeno e cheio de encruzilhadas onde encontramos nossa vida de anos atrás.

É como se gostássemos de errar novamente e da mesma forma.

A vida está na nossa frente, é uma estrada reta... cheia de intersecções que insistimos em usar como retorno e atrasar a nossa viagem.





Tiago Paixão