O tesouro do mago



Um velho Mago sentindo-se bastante debilitado pela idade,
resolveu encontrar um jovem a quem pudesse passar seus conhecimentos.

Avisou então a todas as famílias do reino que aquela que lhe trouxesse o maior dos tesouros teria seu primogênito escolhido.

Apesar do rico dote pedido, depois de sua morte todos poderiam reaver o tesouro, acrescido de imensa fortuna e de poder.

No dia marcado uma multidão invadiu o castelo do ancião.
Os mais preciosos tesouros foram-lhe oferecidos.
Porém nenhum deles satisfez ao Mago.

A tarde findava. Como mais nenhum tesouro lhe era oferecido,
pediu para que um casal de humildes aldeãos se aproximasse.

- Todas as famílias do reino ofereceram-me seus tesouros.
Por que vocês nada me ofereceram?

- Perdoe-nos Senhor! Somos pobres e nada temos a oferecer.

- Vocês nada têm de precioso para me ofertar?

- O único tesouro que possuímos é nosso filho.

- Aceito! Seu filho será o meu aprendiz!

Um tremendo alvoroço se fez no salão. Todos protestaram.

O Mago com um olhar severo ergueu-se, levantou a mão e crispou-a.
Dela um raio luminoso saiu cruzando o ambiente, atingindo e destruindo o portão de entrada do salão.

Aterrorizados os presentes jogaram-se ao chão.

- Todos vocês vieram até aqui, não em busca de ter um filho instruído por um sábio, mas pela ambição que os cega.

Vieram atrás de poder e de ver seus tesouros multiplicados.

A ganância os traiu.

"Ao saírem, que tenham aprendido uma lição.
As glórias e os tesouros nada são, pois quando da Terra partirem,
tudo ficará para trás.

A única coisa que restará de valor, será o amor que tiveram distribuído durante a vida.
Este é o verdadeiro tesouro, o amor, pois é imperecível.

"Este casal é possuidor de sabedoria.
Reconhece no amor de seu filho, seu único tesouro.

"Isto é o que eu buscava, o tesouro do amor.

Mais vale o que está contido no coração humano, do que todo o tesouro Terra."