Terraço Amargo

14 de Junho de 2011 RaFromHell Crônicas 869

Aqui em cima eu me sinto protegido sabendo que a vida é um simples muro de meio metro – pula (d)ela quem quer.

Daqui de cima eu me sinto onisciente, vendo o mergulho do playboy na cobertura e a mendicância nos becos.

Aqui em cima eu sou intangível, altaneiro com meu copo de café, levando vento gelado nas canelas e dormitando no chão áspero, sabendo que não há problema da vida que a morte não resolva.

Por isto eu fico tranqüilo aqui em cima, olhando os pára-raios, com o pensamento de que se tudo de repente for demais pra mim, durante uma tempestade tropical de Verão, bastar-me-á abraçá-los todos.

E que se tudo for uma sucessão de melodramas e intrigas empreguiçantes durante o Outono, bastar-me-á cair daqui de cima como as folhas lindas e laranjas e mortas.

Os pássaros inexistem aqui em cima: só vejo ferro e fios se nidificando e formando enormes antenas e torres com tambores embaralhando as egoístas confusões deste imundo mundo mundano.

Aqui em cima eu como chocolate e me aprofundo no azul do céu, forçando um Nirvana a qualquer custo.

Enquanto um marido trai uma esposa.
Enquanto o Síndico da Massa Falida engendra o verme do suicida num pai de família.
Enquanto um velho de 90 anos preso a uma cadeira de rodas urina sangue no corredor apinhado de um hospital público.
Enquanto uma mãe pranteia o filho morto diante de uma cova aberta.
Enquanto uma jovem faz um aborto num banheiro de rodoviária.
Enquanto Anchorage desperta bela e fria.
E o trem descarrila em Barcelona. E um copo de chopp é preenchido em Copenhagen. Enquanto um Australiano é espancado num beco da Giudecca Veneziana.
E alguém desvia verba, compra um carro amarelo com nome de touro e paredes de madeira são lambidas pelo fogo oriundo de um curto-circuito de trambiques dos miseráveis.

Não há o que se fazer se eu quiser atentar contra a minha vida.
Haverá um ou dois dias de choramingos. De culpas. De dores. Mas o mundo continuará. Ninguém vale nada.

Daqui de cima eu vejo claramente, despido de toda e qualquer humildade: sete bilhões de quilos de dejetos mergulhando nas entranhas do Planeta. Para cada grama de dejeto, bilhões de organismos vivos vivendo como eu aqui em cima.

E há alguém no controle de tudo isso?

E cadê o porquê pra tudo isso?

Suspiro, sem resposta, como sempre, e não me jogo daqui de cima, e volto à automação dos dias; cãozinho com o rabo entre as pernas, acostumado com os chutes dos fantasmas das dúvidas.



30/05/2011 - 13h50m

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
SÓ PARA DIZER BOM DIA. há 2 horas

Fiz ao nascer da alva, Sob a luz que o sol irradia, Estes versos vindos d...
madalao Poesias 5


DEIXA-ME NO TEU VENTRE há 2 horas

Deixa-me, no teu ventre, eu ficar, Neste ninho de amor tão quentinho. L...
madalao Poesias 5


Equação do Amor há 2 dias

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 52


Qual é a Nossa Parte? há 2 dias

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 12


"Lagrimas" há 2 dias

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 12


Realidade, Deixe-me Sonhar há 2 dias

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 56