Rio.. De Janeiro e meu também

22 de Fevereiro de 2012 Charlene França Crônicas 701

Rio, riso, ritmo, correndo o tempo inteiro. Desaguando perto ou longe do mar. Há mais de vinte anos também sigo no leito estreito e quente desta cidade que clareia a vida e as ideias. Cheguei aqui vindo de perto, porém o que não falta é conhecido vindo de longe. E hoje todos dançamos a mesma música. Música de um lugar que aproxima e afasta. Cidade que possui tantos artistas e poetas em maior número que muitos países inteiros.
E Estando aqui há tanto tempo, tanto trem, Avenida Brasil, Rua do Ouvidor, Lapa e engarrafamento, percebo que ... há coisas simplesmente indefiníveis. Indiscutíveis. Aprendi que, quem canta, nem sempre conhece a letra. Quem vive, nem sempre explica a razão. Aprendo todo o dia que o mendigo parado à entrada da Central do Brasil e o bem sucedido morador de Ipanema que caminha pela Vieira Solto, possuem o mesmo e dourado bem de valor desconhecido.
Aprendo mais ainda que um morador e amante como eu jamais chegará a um verbete de dicionário que defina e apreenda tanta cor, tanta dor, tanta batalha. Batalha que é minha também desde adolescente. Como tantos que lotam as ruas e os ônibus entre a casa o trabalho, a escola e a praça.
Assim, amadurecendo, trago comigo este grande aprendizado. Como não há nenhuma palavra que me defina e me encerre a não ser aquela perdida no papel de cronista, também não há no léxico, palavra tão maravilhosa quanto o Rio. Cidade tão antagônica e indizível. Cristo? Canção? Quem sabe...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 4 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 4 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 19 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 35


Ás palavras não são mais meu legado. há 20 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 20 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 20 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7