Muitas coisas não existem mais. Criança prefere ficar o dia inteiro brincando com o iphone em vez de travessurar ao luz do dia, desbravar o mundo. Bola, já não atrai tanto os meninos; boneca, não arranca mais o choro de meninas sacudindo a saia da mãe, que não quis comprar a barbie paraguaia da lojinha da esquina. As coisas não são mais as mesmas. As mães estressadas com o trânsito; os pais até que estão entretidos com as mesmas besteiras; porém, sem a autoridade machista de outrora. As prerrogativas se equilibraram, ou estão se equilibrando. Sem entrar no mérito dos benefícios ou malefícios disso tudo. Muito menos fazer previsões maniqueistas. Os valores estão mudando. As estatísticas são provenientes do gráfico do cotidiano, do dia a dia, da observação natural. É a dialética comportamental se transfigurando; mostrando a que veio.