Nossa geração

04 de Março de 2012 Victor Almeida Crônicas 709

Muitas coisas não existem mais. Criança prefere ficar o dia inteiro brincando com o iphone em vez de travessurar ao luz do dia, desbravar o mundo. Bola, já não atrai tanto os meninos; boneca, não arranca mais o choro de meninas sacudindo a saia da mãe, que não quis comprar a barbie paraguaia da lojinha da esquina. As coisas não são mais as mesmas. As mães estressadas com o trânsito; os pais até que estão entretidos com as mesmas besteiras; porém, sem a autoridade machista de outrora. As prerrogativas se equilibraram, ou estão se equilibrando. Sem entrar no mérito dos benefícios ou malefícios disso tudo. Muito menos fazer previsões maniqueistas. Os valores estão mudando. As estatísticas são provenientes do gráfico do cotidiano, do dia a dia, da observação natural. É a dialética comportamental se transfigurando; mostrando a que veio.


Leia também
Lembra? há 8 horas

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 9


Principio há 8 horas

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 8


Viandar há 8 horas

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 7


Fluxo do tempo. há 8 horas

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 8 horas

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 8


Ame...! há 8 horas

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 6