O PAI QUE EU SOU

21 de Junho de 2011 SUPERTOR4 Crônicas 808

Tá tá tá
É o dia comercial dos Pais e daí? Lembram de nós sim com carinho e ternura, misturado a alguma amargura por causa do tênis marca tal não comprado de presente ou mesmo no reinício das aulas, Talvez se lembrem de mim sim, tem um show da banda sei lá o que, no ginásio do Sesc ou coisa parecida e o ingresso é 40 reais afora o táxis, o “lanche” e etc. e tal, ou porque atrasei a mesada de julho, não que não me amem, mas o ritual sentimentalista fica no colo da mamãe, vovó ou a titia que está presente o dia inteiro, não é o cara barba mal feita, muitas vezes suado e abarrotado, despenteando os cabelos ao conferir boletos de cobrança, geralmente de mal humor, que muda com uns goles no gol pela TV do seu time preferido. Nunca mais Papai foi o cara sorridente e carinhoso que lhes punham sobre os ombros e saia em caminhada, correndo na areia da praia, jogando bola de plástico conosco, tem sentimentos de carinho sim, mas muito mais pelas lembranças boas de momentos felizes passados juntos que pelo momento atual.
Sofrer dor física é altamente suportável, principalmente a dor surpresa, não programada como uma agulha de injeção prestes a nos invadir, mas sofrer dores sentimentais é insuportável para o Papai, o cara que facilmente consome 3 maços de cigarros na maternidade, faz pistas tipo revista em quadrinhos, no piso da maternidade madrugada adentro, com a cara apalermada, sempre olhando na direção da sala de parto. Depois o cara enlouquece, ao primeiro choro de seu filho ele esmurra paredes, amassa o cigarro contra a própria boca, grita e pula feito macaco:
– meu filho, meu filho, meu filho Nasceu... e desmaia. O Garanhão é nocauteado pela emoção.
Uma vez papai chegou a quase quatro metros de altura em um simulado murro aos céus, num acrobático salto de altura, que não faria em seu estádio normal, só porque leu o exame que dizia o sexo do bebê inda na barriga de mamãe, era sua primeira filha.
Assim são os pais, sentem um pouco à parte na família, vive quase 12 horas fora do lar a maioria, não existe a cumplicidade que seus filhos têm até com outros adultos da família, afora naturalmente a mãe. A maioria das vezes é cobrado em dobro e incompreendido, mas nunca NUNCA duvide do amor deste machão de meia tijela. É apenas uma manteiga inda congelada, basta um sopro quente de ternura e lá se vai o cara Ó.
Torquato
Publicado no Recanto das Letras em 07/08/2010
Código do texto: T2423707

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Amor de Primavera há menos de 1 hora

Morena, quando tu flores, o verbo em ti, primavera, seguirá o caminho do...
a_j_cardiais Poesias 31


CICATRIZES há 5 horas

CICATRIZES Não se vive essa vida impunemente... Todo mundo, mais dia m...
ricardoc Sonetos 4


" Amar é" há 16 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 9


PAU DE FITAS há 20 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 8


Falta de Amor ao Próximo há 1 dia

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 45


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 1 dia

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8