Magnétika- cap. VIII

21 de Dezembro de 2017 latiumbr Crônicas 42

Cap. VIII
Além de animais, recolhia pessoas; sim , não era capaz de passar por indivíduos caídos na rua sem ajudar, animá-los, trazê-los para tomar um prato de sopa ou levá-lo in loco. Eu, que sempre recebia de casa essas recomendações: “cuidado com essa gente, é perigosa; são vagabundos que não querem procurar emprego; se procurar, acha...”, fiquei estupefato com tamanha humanidade.

Havia um mendigo, muito mal-humorado; xingava-a com frequência, entornava a sopa...Ela só dizia:

-Zé, se fizer isso de novo, não venho mais...”

Um dia, com lágrimas nos olhos, ele contou sua história: tinha sido abandonado pelos pais; a mãe, nunca conhecera; só recebera pontapés , e revidava da mesma forma. Ela tinha sido a única pessoa a trata-lo com respeito...
Histórias assim, conhecia muitas; o próprio Ivan às vezes a maltratava; não voltava por dias; via-se a preocupação em seu rosto, embora não procurasse demonstrar.
Um dia, vi na casa um jóia: uma bicilcleta magnífica que Seu Josivaldo tinha montado com pelas de sucata; era um modelo antigo, dos anos 50, reformada com zelo e primor por ele, que percebeu minha admiriação.

- Volte com ela pra casa; depois me devolve...”

Fiquei espantado:
- Não tem medo que a estrague nessas ruas esburacadas?
-Não tem importância; monto outra, se preciso. Você está pensando como os banqueiros...

Voltei para casa com aquela jóia; todos na rua me olhavam; alguns amigos me paravam e me perguntavam onde tinha comprado, pois iriam pedir uma igual para os pais. Senti-me parte do mundo de novo, pois sempre me tacharam de “estranho” por ser ensimesmado.

Cheguei a casa; meu pai me viu, pois estava na garagem, onde deixei a bicicleta.
-Que bicicleta bonita! De quem é?- disse com seu ar sério e elegante.
-De meus amigos...
- Lá de baixo?
-Sim , eles mesmos!

À mesa, comentou com minha mãe, com um ar de reprimenda:
-Ele vem se misturando com aquela gente?
-Ainda! Não sei o que vou fazer...
-Mande eles virem falar comigo!...

Comentei, muito sem graça, na semana seguinte, com Dona Zulmira, que falou com Seu Josivaldo. Ele consentiu em vir falar com meu pai.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CONTOS DO ANDARILHO A MULTIPLICIDADE NA UNIDADE. há 1 dia

CONTOS REFLEXIVOS DO ANDARILHO ...
paulocesar Acrósticos 14


A Motivação Correta há 2 dias

“Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais deba...
kuryos Artigos 18


A CALÇADA DE PEDAÇOS DE OUTRAS CALÇADAS há 2 dias

Ele acreditava em seu mundo; seu mundo, também esperava por ele. Ele se...
paiva Poesias 31


Ir, importa mais que a direção. há 2 dias

Vens, ama-me de vez em quando, Ainda quem sem tanto interesse. E assim pe...
elisergio Sonetos 16


A CASA DE BARRO há 3 dias

A CASA DE BARRO Por Roosevelt Vieira Leite A casa de barro de minha cun...
paiva Poesias 39


MULHER-ESPETÁCULO há 3 dias

MULHER-ESPETÁCULO Ela sozinha vale já o ingresso!... Seminua no palco...
ricardoc Sonetos 23