UM PÁSSARO NA JANELA

07 de Março de 2018 Maria Hilda Crônicas 119

Tem gente que tem flores na janela: gerânios, rosas ou violetas. Eu não. Eu tenho um pássaro na janela. Bonito, né? Ficção? Nada disso. É um fato real. Como ele chegou? Foi num dia triste de 2006. Eram 6 horas da manhã quando recebi a notícia. Minha melhor amiga havia partido desta vida. Muito abalada, sentei-me na cama, de frente para a janela, como um manequim humano, igual àqueles que ficam parados nas ruas. Movimento em mim, só o das lágrimas rolando em silêncio.
Na cabeça o filme passava velozmente.

A faculdade, onde nos conhecemos; os 4 anos do curso de letras; os estudos em grupo e as representações teatrais que nos faziam sonhar. Ao final dos estudos, a turma se separou. Cada um seguiu seu caminho. A camaradagem dos bancos universitários foi interrompida. Conosco aconteceu o contrário. Continuamos a amizade. Marido e filhos contribuíram para torná-la mais sólida. Todos os dias ela me telefonava.

Foram muitos anos de um relacionamento sincero, até o fatídico dia do ano de 2006. Foi nesse dia que eu o vi pela primeira vez. Primeiro ouvi o canto. Abri os olhos e lá estava ele pousado na folha da janela olhando para mim e cantando. Minha presença não o perturbou. O filme, na minha cabeça, parou. Eu só via e ouvia o passarinho na janela. O canto foi expondo a realidade a ponto de eu chorar alto e copiosamente para aliviar meu coração.

No dia do féretro aconteceu algo que me deixou intrigada. Eu estava no banheiro me preparando quando ouvi o canto do bichinho. Era como se ele estivesse dentro da casa. Caminhei silenciosamente até a porta do quarto e lá estava ele pousado no rádio de cabeceira, que fica do meu lado da cama, cantando. Um arrepio percorreu meu corpo. Que pensar, meu Deus! Ele voltou no dia seguinte, e no outro, e no outro.
Como ele é? É pequeno, tem as penas verdes, não o verde dos periquitos, mas um verde que sob a luz do sol fica prateado. Ele chega, pousa no parapeito da janela e, sem se importar comigo, ele canta. Canta muito e depois voa para as árvores da rua. Às vezes fico me perguntando: que será ele faz o dia inteiro? Onde dorme? Terá ele uma companheira? Que tipo de pássaro é? Não sei. Seria uma alma? Um anjo enviado para me consolar? O que eu sei é que ele é muito bonito e que ainda me visita não tão frequente como em 2006.

Maria Hilda de J. Alão


Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Sou" há menos de 1 hora

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 4


"Livro sem letras" há 2 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 6


Amor há 4 horas

Quando Jesus diz que aquele que o ama é quem guarda os seus mandamentos, o...
kuryos Acrósticos 7


ESTÁ TÃO ESCURO (poesia infantil) há 6 horas

Está tão escuro Por causa do muro O chão é duro Não bata o nari...
madalao Infantil 7


Amor de Primavera há 19 horas

Morena, quando tu flores, o verbo em ti, primavera, seguirá o caminho do...
a_j_cardiais Poesias 42


CICATRIZES há 1 dia

CICATRIZES Não se vive essa vida impunemente... Todo mundo, mais dia m...
ricardoc Sonetos 6