UM BOM REMÉDIO PARA CONSTIPAÇÃO VERBAL

24 de Julho de 2012 Isloany Machado Crônicas 1304

Outro dia ouvi uma conversa assim:
- “Como fazer redação é uma coisa difícil né?”.
- “Sabe o que é bom pra você conseguir fazer uma boa redação? Dizem que tem que ler bastante, porque a leitura faz soltar as palavras”.
Comecei a imaginar coisas: seria quase o mesmo que tomar muita água para evitar outro tipo de constipação? Daí lembrei que o pessoal lá em casa, meu pai e minha mãe, gostavam muito dos livros, ficavam pela casa toda. Tinha livros infantis, de história, de literatura, etc. Lembro de um que eu gostava muito que era a biografia do Che Guevara, tinha mais de quinhentas páginas e algumas ilustrações. Ficava olhando aquelas imagens revolucionárias e de guerrilhas, imaginava as histórias, as palavras trocadas entre eles, aquilo que o biógrafo não conseguira alcançar. Tinha outro enorme que era sobre a história da inquisição. Eu tinha medo dele e nunca o abri porque pensava que sairia fogo de dentro, pois minha mãe me explicava que, naquela época, eles queimavam as pessoas ainda vivas. Outro ainda falava da ditadura militar no Brasil e recordo que na capa havia uma série de bigodes de todos os formatos. Eu abria o livro, olhava as figuras de pessoas torturadas e chorava, sem saber exatamente o que era tudo aquilo. Tinha medo de bigodes. Havia o da revolta dos canudos, ficava então imaginando os canudos plásticos dos meus refrigerantes se engalfinhando. Eu ganhei da minha mãe o livro do menino maluquinho, ele era subversivo, usava a panela na cabeça. Depois, quando já recebia dinheiro pra comprar lanche na escola, economizava e, quando tinha juntado um tanto, ia até os sebos do centro da cidade e comprava livros. Uma fortuna eu pagava! Comprei O Crime do Padre Amaro, de Eça de Queiroz, por R$ 3,00. Era uma viagem. Um dia comprei A pata da gazela, de José de Alencar e ficava horas olhando o nome do livro tentando imaginar que diabo aquilo queria dizer, pensava que era a história de uma pata, e era, mas era da pata (pé) da gazela (moça). E assim foi que meus pais me deram, em doses homeopáticas, o remédio que a moça do diálogo receitou à outra. Se você tem constipação verbal, o melhor remédio são os livros porque eles fazem soltar as palavras, mas há que se tomar cuidado para não virar verborreia, pois um dos efeitos colaterais pode ser a dor de cabeça.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
ANTIFACISTA há menos de 1 hora

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 1


A rua me aceita como sou há 2 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 30


Não seja superficial há 3 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 37


"Dia do amor" há 6 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 14 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 13


"Estou cá a matutar" há 14 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 9