OS OLHOS DE ANA

29 de Julho de 2012 Isloany Machado Crônicas 753

Conheço uma moça chamada Ana. Ela tem os olhos amendoados que olham rasgando pra gente. Rasgam não só pela forma com que se desenharam no rosto dela, mas também porque são negros e carregam perguntas. Também são negros os cabelos, que carregam assim essas mesmas misteriosas perguntas. Ou outras, não sei. O rosto de Ana é desenhado com ângulos e dá vontade de pegar o esquadro e sair medindo. Além disso, ela é extremamente inteligente e já não sei se a pergunta implícita em seus olhos é dela ou de quem a vê. Neste instante já me parece que ela porta todas as respostas. Outro dia vi os olhos serenos de Ana se avermelharem e rapidamente a ponta de seus dedos estancaram uma lágrima. Eu nem sabia o motivo, mas amaldiçoei aquele que arrancara dos olhos dela o negrume costumeiro. Que outros olhos podiam ser mais cativantes do que os de Ana? Quem poderia ousar se desviar deles? Somente alguém que não buscasse neles as respostas ou alguém que acreditasse que dali não poderia mais saber nada novo. Quanta ingenuidade! Os olhos dela são rasgados, negros e profundos. Essa profundidade porta perguntas e respostas infindáveis, torrenciais, que não cessarão jamais. Pode-se dizer que ali está uma fonte que não se esgota. Quem se atreveria a afirmar exatamente quando se esgotará todo o oceano? Ela já foi dilacerada, esteve no chão, teve partes de si esmagadas, estilhaçadas, mas a água lavou as feridas e ela ficou de novo em pé, com algumas cicatrizes. Com isso descobriu que “não morre fácil”. Ficaria feliz se Ana cativasse alguém que pudesse apostar na infinidade das perguntas e respostas a serem encontradas no negrume de seus olhos. Alguém que perceba que ela, apesar de parecer ser simplesmente a mesma, sendo lida pelo do lado esquerdo ou direito (Ana ou anA), carrega em si todos os mistérios do mundo.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
PAU DE FITAS há 3 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 3 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 7 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 29


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 8 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 13 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16


ETERNAL (rondó) há 1 dia

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 8