Nas profundezas, nas profundezas do imenso mar. Aqui está tão frio, tão vazio. Cada movimento simples, se torna lento, doloroso.
É só água, somente água e mais nada. E é estranho como não há fim. É como se quanto mais eu fosse fundo, mais horizontes se abrissem.
É agonizante não poder sair de dentro disso. Uma prisão, aonde só há solidão. E agora eu não tenho ninguém comigo... Talvez eu nunca tenha tido. Era tudo tão falso. Não consigo distinguir o que é real, do que não é. Pura confusão. Depois de tanto me iludir, e acreditar em mentiras bem contadas, eu me tornei uma pessoa diferente. Fria? Na verdade não. Só aprendi a controlar todas as minhas emoções, e não criar expectativas demais. São todos tão iguais. E sabe o que dói? Dói saber que eu não sou diferente.
Eu sei que nunca chegarei a superfície, afinal, eu fui me prendendo aqui aos poucos.
Seja bem vindo ao mar de depressão.