Dama-da-noite

04 de Maio de 2013 sergio geia Crônicas 1022

Tenho em casa uma dama-da-noite. Sim, ela me pertence, presente de minha mulher. É que o seu perfume me encanta. Em Ubatuba, na frente do apartamento em que ficávamos, tinha aos montes. Quando a gente saía de noite, principalmente no verão, batia aquele cheirinho inebriante e era muito bom.

Comentava, sempre que estávamos por lá, que aquele perfume era o bicho. Depois de um tempo, minha mulher, solícita e atenciosa como sempre, me presenteou com uma, depositada num grande vaso que fica na frente da minha casa.

Ganhei o presente e a responsabilidade pelo cuidado de tão fina flor, é lógico. Toda manhã, lá estou eu com uma garrafinha borrifando água para que ela cresça saudável, graciosa e elegante, e, acima de tudo, perfumada, muito perfumada.

É uma tarefa que não me desagrada, pode apostar. Antes da agitação do começo do dia, do pão e leite que tenho de buscar na padaria, do lixo que tenho de pôr na rua, do café que tenho de preparar, das crianças que precisam ser levadas para a escola, da leitura rápida do jornal, enfim, antes de toda a correria mundana das primeiras horas, encontrar um tempinho pra jogar água numa plantinha é uma tarefa gloriosa, afinal, trata-se de um ser vivo que depende de mim e, sem qualquer interesse subliminar, é sempre bom plantar uma sementinha do bem para garantir o futuro da humanidade, especialmente quando esse futuro seja o meu mesmo, é claro.

Minha mulher até que me dá uma mão, porque aguar eu até faço com grande zelo, mas podar, adubar, borrifar um remedinho receitado pelo dr. jardineiro, arrancar as bolinhas que, segundo ela, são bichos e matam a planta, aí... bem, deixa pra lá...

Muitas vezes cheguei em casa e fui recebido com o esplendor daquele perfume, o que, obviamente, compensa as horas gastas na tarefa da borrifação. Mas, na maior parte das vezes, nada. Não sei se é o tamanho, o lugar, o sol, se é o excesso de água, ou a falta, não sei. O que sei é que a danada não vinga.

A dama é caprichosa. Quando periga espraiar um cheirinho gostoso, no dia seguinte eu encontro no seu entorno um monte de cachos espalhados pelo chão, derrubados pela brisa, imagino eu, que levou para longe as inflorescências perfumadas.

Minha mulher, dia desses, inconformada, mas muito decidida, tratou de dar um jeito na belicosa. Arrancou-lhe galhos secos, folhas amarelecidas, bicho e tudo mais. Agora vai, pensei. Mas, quando vi, tinha sobrado apenas um toco, um pobre toco que chegava até a dar dó. “Faça o favor de aguar, né? Sem água ela não cresce”, disse-me determinada. “Pode deixar, que de sede ela não morre”, respondi, sem muita convicção.

Como anda chovendo muito, divido essa nobre tarefa com Deus Nosso Senhor. Sinceramente, não sabia que era tão difícil assim fazer vingar uma simples dama.

Deveria saber, afinal, as damas são sempre caprichosas, e eu nunca tive muito jeito com elas.

Lembro-me de uma namorada que mais parecia uma bomba-relógio. Um dia, disse isso a ela. Mas por quê?, ela ingenuamente quis saber. Ora, ora... Qualquer verbozinho inocente, qualquer frasezinha mal colocada, qualquer comentariozinho infeliz, você sabe, né? Nunca soube, eu acho, mas, naquele dia eu soube; ah, eu vi de perto o que os japoneses chamam de explosão nuclear.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8