A tal

02 de Junho de 2013 Victor Almeida Crônicas 608

Na verdade, o fato de ser milionário era pouco para aquele homem. De terno moderno, corte fino, alguns milhares de reais.

Não era o bastante. Enquanto entrava na sua camionete importada, lembrava-se da família em casa, dos negócios prosperando, mas a vida piorando.

Tinha um filhinho de cinco anos. Lindo - a sua cara; uma mulher igualmente linda; um cachorro camarada, que, quando o enxergava, vinha correndo morder a barra da sua calça de tecido caro.

O que ele queria não tem nome, cor, endereço. O que ele queria parecia estar num labirinto, sobre o qual se questionava se não seria obra de sua imaginação.

Havia amor. Havia sexo. Havia saúde. Havia muitos amigos. Havia muito dinheiro. Mas não havia felicidade.

Parecia que a vida trajava smoke com gravata borboleta, à sua frente, segurando uma bandeja contendo os seus sonhos. Porém, a dúvida e os maus pensamentos insistentemente persistiam.

Era a tal da depressão.


Leia também
""Ser deficiente, não é o final"" há 16 horas

Nos somos todos iguais, E ao mesmo tempo diferentes, Somos todos normais,...
joaodasneves Poesias 9


"Não sei teu nome, só sei que foi bonito" há 17 horas

Foste embora com o chegar da alvorada não sei nem como te chamas só sei ...
joaodasneves Poesias 8


"Aqui se chama traição" há 22 horas

Esquece-me, como eu te esqueci De ti, não quero nem ouvir falar Não sei...
joaodasneves Poesias 9


Janela Para o Amor há 1 dia

Abra sua janela para o Amor... Não o amor de um só. O Amor de um sol, ...
a_j_cardiais Poesias 28


Desconstruções há 1 dia

Minha vida muitas vezes fica tão distante dos meus poemas... Quando as c...
a_j_cardiais Poesias 32


"Amiga cadeirante" há 1 dia

Vi alguém que me fez chorar, Enquanto eu passeava a beirinha mar, Ela ar...
joaodasneves Homenagens 10