Pneumonia

24 de Agosto de 2013 sergio geia Crônicas 688

Febre alta. Tosse. Dor no tórax. Nas costas. Estes sempre foram pra mim os sintomas clássicos da pneumonia. Quando o médico, com aquela calma budista de ser, deu uma olhada nas chapas e disse: “pneumonia. E não é pequena”, eu quase surtei.

Tinha tosse. Uma tossinha seca. Não tinha febre, muito menos febre alta. Não tinha dor. Não tinha nada! Mas tinha pneumonia. E não era pequena. “É caso de internação. Não dá para tratar em casa”. Ele me mostrou o raio-X. Um dos pulmões, pretinho. O outro, com aspecto esbranquiçado. “Tá vendo. É catarro”.

O Super-Homem entrou em ação. “Não é nada. Vamos tratar e pronto. No hospital há mais recursos, enfermeiros de todos os lados, médicos, equipamentos, remédios. Vai ser melhor.” Ela chorando e eu tentando convencer a mim e a ela: “minha mãe teve pneumonia. A Samantha teve. O Felipe. Vai dar tudo certo”. Uma rocha falante.

Lá no quarto, viajando entre a cidade e as serras, seu rostinho sempre me tomava, ainda que belíssimas fossem as paisagens parisienses. Quando a Jaqueline, a fisioterapeuta, começou, lembrei-me do Ronaldo na cabine de transmissão, chutando o vento quando a bola caía no pé do atacante. Pois eu respirava. Uma. Duas. Prendia a respiração. Levantava os braços. Ela me olhava e não entendia, afinal, a paciente era você!

Minhas caminhadas domingueiras nunca foram melhores, pode apostar. Caminhar por entre jardins e calangos a seu lado foi bacana e eu via seu sorriso e sua carinha corando de novo. E quando você desatava a rir com minha pergunta démodé sobre o tal Po, se era um dos Teletubbies? Quando eu iria imaginar que o Po era na verdade Pou, uma simples batata? Tá, um alienígena.

Posso lhe ser franco? Agora posso, já passou, né? E aproveito para desmitificar aquela história de pai herói, Super-Homem, que é pau pra toda obra. Que super-herói que nada! Esse que vos fala tem as mesmas fraquezas que qualquer ser humano. Viu, Johnny? É pra você também. Tem medo. Sofre. Erra. Chora. Dentro do carro. Debaixo do chuveiro.

Chora porque não existe controle absoluto sobre todas as coisas. A vida escorrega pelas nossas mãos como peixe se debatendo. Não há garantias de nada. E esse é o caminho a seguir. Assim é a vida. Não pensem que viver é um conto de fadas, e que tudo vai acontecer pra vocês facinho, facinho. Nada disso. Quando ela lhes der uma rasteira, não chorem apenas, mas aproveitem, pois ela estará lhes dando uma oportunidade de afiar a espada.

A vida é complicada, e vocês precisam saber disso. Cheia de tormentas, que a gente quer bem longe. Não quer nem pensar. Não adianta! Precisamos de ferramental. É isso. Guardem bem essa palavrinha: ferramental. Não adianta querer, pedir pra Deus, pra Alá, pra Buda, pra quem quer que seja, uma vida livre de percalços. Isso não existe. Eles não vão desaparecer da nossa frente. Estão em tudo quanto é lugar. Você pode estar aqui ou em Amsterdam. Busquem ferramental emocional para vivenciar seus problemas, o sofrimento, a dor, a doença, as perdas.

Foi essa rocha (pra você), despreparada, que teve de encarar seu probleminha. Cinco dias, filhota. E você de volta. Pareceu uma eternidade.


Leia também
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) há 1 dia

Vivia na bela cidade dos patos Um velho pato que contava fatos De uma fam...
madalao Infantil 5


"Feliz...dia...de...São João" ... há 1 dia

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 7


No Vento da Literatura há 1 dia

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 38


Bendito Amor Eterno há 2 dias

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 16


"Vendo" há 2 dias

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 10


"Te amo vinho tinto" há 2 dias

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 11