Entre príncipes e sapos

11 de Outubro de 2013 Sol Crônicas 704

O namoro é a fase da contemplação. Idealizamos, projetamos, como o mundo ideal, os dias calmos e românticos e acreditamos que o outro nos fará felizes para todo o sempre.Tal qual um livro de Alencar ou o mais romântico filme de Cassavetes. Chega finalmente o dia do sim e ele acaba por ser, quase que via de regra, o marco das desventuras em série. Acordamos, certa manhã, depois do fatídico dia, e descobrimos subtamente que dormimos com um sapo ou, na pior das hipóteses, com o cavalo do príncipe encatado.
Há exceções, é claro, mas são poucas. Há também casos inversos em que a princesa transforma-se em bruxa horrenda. Entretanto o maior desvelo está na idealização feminina do homem.
Seria cômico se não fosse trágico e não desustruturasse pessoas que pensavam viver equilibradamente ou disimasse e machucasse famílias inteiras. A verdade é que quase sempre estamos despreparados para lidar com os nossos fantasmas do mundo ideal, verdadeiras assombrações, monstrinhos que fazem ninho em baixo da cama, e que costumam aparecer nas circunstâncias estressantes e inusitadas do cotidiano matrimonial.
Não bastasse a tábua do banheiro erguida e respingada, a toalha de banho molhada jogada por sobre a cama, as meias e sapatos largados em um canto do quarto, o controle remoto da televisão nas mãos egoístas do maravilhoso príncipe, o jogo de futebol e a pouca ou quase inexixtente conversa - comuns em todos os lares -, hábitos estranhos, como a falta de banho ou a coceira distraída no saco, enquanto se assiste ao programa preferido, entram em cena e não estavam no script original feito antes do dia d. Ainda assim, o conjunto de hábitos que vão de encontro aos projetos dourados das moçoilas sonhadoras não representa a parte maior da poção mágica que transforma príncipes em sapos.
O desgaste comum de todos os relacionamentos desfaz até promessas para Santo Antonio. São as contas para pagar no final do mês, as despesas com médicos e farmácias, as compras para abastecimento da casa e uma lista infinda de detonadores de lares universais. O cotidiano torna-se, assim, um engodo do qual quer-se livrar tão logo seja possível.
Mas nem tudo está perdido... Há sapos que conseguem reverter o jogo e passam a ser vistos novamente como príncipes. Casos raros, é verdade, mas plausíveis.
Eu, particularmente, prefiro acreditar que em todos os casos essa reversão seja possível. Quero crer que as pessoas sejam verdadeiras e o amor que sentem umas pelas outras seja capaz de transpor todas as barreiras.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"Minha humilde casinha" há 1 dia

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 14


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 54


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 13


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 14


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 10


Separação há 2 dias

Pensei que separação fosse fácil... Que fosse só deixar seu amor, e ...
a_j_cardiais Poesias 50