Recomeço

08 de Dezembro de 2013 And P. Crônicas 508



Depositei
a ultima carta naquela caixa velha, a qual carregava há anos. Lacrei-a e lacrei
em minha memória todas as lembranças que jaziam ali. Escondia-a em baixo do
piso, abaixo da madeira que sempre rangia com o meu peso morto. Em um ultimo
movimento antes de deixar aquele local, peguei a flauta doce que se perdia no
emaranhado dos lençóis, os quais aos poucos abriam uma lacuna onde podia se
transpassar o que eu tentava esquecer.
Antes
que mais algum pensamento insensato me dominasse larguei aquele local, não
olhei para trás, ao caminho toquei uma melodia de despedida a qual nunca se
repetirá.




Leia também
" Amar é" há 2 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 11 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 32


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 12 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 17 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16