“Se alguém já lhe deu a mão
e não pediu mais nada em troca... pense bem, pois hoje pode ser um dia
especial”.


Que dia é hoje? Hoje é o dia “D”. Dia de fazer o bem sem interessar a quem. De
tornar o dia melhor do que já foi. De realizar o que não realizamos ontem e de
idealizar o que iremos fazer amanhã. E hoje pode ser o melhor dia da nossa
vida. Dia de ser o que ainda não fomos até o momento e de concretizar tudo
aquilo que não conseguimos até agora. Hoje é dia sete, este número é considerado
espiritual, referente aos dias da semana, chacras. Dia de azar para alguns,
porém de muita sorte para outros, depende do ponto de vista e/ou superstição de
cada um. Hoje é dia de ser mais feliz e de proporcionar momentos mais
prazerosos ao nosso semelhante. Dia de amar e ser amado, de perdoar e ser
perdoado, de sorrir e de chorar. Chorar? Sim, pois nem sempre podemos evitar o
choro, nem tudo é um mar de rosas nesta vida. Mas se chorarmos, que seja por
bobagem e que seja momentâneo. Se bem que prefiro chorar de felicidade, de
emoção. Em fim, que seja hoje o dia de secar o pranto, de cessar o lamento. Pois que seja hoje o dia tão esperado. Dia de começar a dieta, a caminhada, a academia.
Dia da mudança, da transformação, da reeducação. Dia de agradecer, afinal,
se tivemos a grata satisfação de abrir os olhos nesta manhã, já é sinal de
muita alegria. Dia de demonstrar gratidão pelo doce milagre da fé que “remove
montanhas”. Dia de apreciarmos a maravilha que somos nós, pois segundo Albert
Einstein “Poucos são aqueles que veem com seus próprios olhos e sentem com seus
próprios corações”. Também disse certa vez Santo Agostinho, beneficiado pela
sua percepção de espírito iluminado, que “As pessoas viajam para admirar a altura das montanhas, as imensas ondas dos mares, o longo percurso dos rios, o vasto domínio do oceano, o movimento circular das estrelas, e, no entanto elas passam por si mesmas sem se admirarem”. Pois então que seja hoje o dia de contemplar o quanto somos magnificentes... Já que estamos vivos, o que por si só já basta. “É a vida! É bonita e é bonita!”.