Tarde ensolarada de sábado. Paramos para almoçar. Dentro do restaurante, alguém falou: “Hoje em dia quase não se vê guardanapos de panos…”. Eu logo retruquei:“É a era dos descartáveis…” Pronto! Bastou esta frase para começarmos uma longa conversa filosófica que permeou todo nosso almoço (aliás, uma conversa com muito sentido!).

Pare para pensar: sacolas, copos, pratos, guardanapos, talheres, jalecos, toalhas de mesa, aventais… Até celulares! E por aí vai uma vasta lista do gênero, tipo: mulheres, homens, maridos, esposas, amigos, líderes, cargos, funcionários, patrões, respeito… A nova onda é não acumular nada. Não acumule papel, não acumule lixo. É A ONDA DO ‘POLUA SEM SER POLUÍDO’ (como dizia a Irmã Baby Consuelo e o Sr. Pepeu). Uma utopia, afinal, como poluir sem ser poluído?Ás vezes falamos da natureza como algo distante de nós. Nós esquecemos que somos natureza. Então: Poluir a natureza=Nos poluirmos. Tudo bem… blá, blá, blá…

Voltando aos descartáveis, até os filhos estão des-car-tá-veis! Há quem não goste e jogue no lixo… Éééééé!

Vi num filme que casamento deveria vir como um contrato de experiência de seis meses. Caso gostassem do negócio, renovavam o contrato. Dá pra crer num negócio desses??!

Acho que o papo de descartáveis para facilitar a vida virou mensagem subliminar!Agora todo mundo entende que tudo no mundo é descartável (pra facilitar a vida, entende?). Não gostou, dispensa. Usou, joga fora. Para que acumular ‘lixo’, né?

Só que, benzinhooooo, você se esqueceu de um pequeno detalhe: um dia esse ‘lixo’ descartado, vai voltar para você de alguma forma. É assim na natureza, é assim na sociedade.Plantou, colheu! Não pense que isso sai barato e, no final é você quem paga a conta: a conta do analista, dos remédios, e tal…

Está na hora de pensar um pouquinho antes de qualquer decisão e não sair por aí consumindo desenfreadamente, pra depois jogar fora: nem coisa, nem gente!

Data priginal da publicação: 08quarta-feiraago 2012

Publicado por Qzia Carvalho em http://blogdaqzia.wordpress.com/2012/08/page/2/

Deixe um comentário