Que me Perdoem os
fãs do programa Amor e Sexo, produzido e organizado pela nossa querida rede
Globo, mas conseguimos chegar ao final da estrada. A última edição é uma
síntese do que há de mais sem graça na TV brasileira. É até difícil dizer, mas
a cada dia está mais raro encontrar um programa bom de ver e ouvir. No último programa a que assisti, houve um debate
sobre TPM e o que acontece com a mulher nesse período. Confesso que não entendi corretamente o que a
apresentadora estava querendo dizer, pois em, certos momentos, ela, a nossa querida apresentadora Fernanda Lima, dizia que a mulher
fica louca no período da TPM ou muito emotiva. Já no outro dia, na aula de português que vou aos
sábados, conversando com o professor, acabamos debatendo o que era TPM. E
queridas leitoras, fiz até uma brincadeira, que TPM significava Tensão das
Pobres Mamães.  Por quê, aparentemente, na sociedade em que vivemos, uma mulher
que trabalha, cuida do lar e da família não pode ficar estressada, pois logo em
seguida alguém te pergunta se está na TPM. Ora, convenhamos! A mulher é o ser menos frágil que
conheço. Somos legítimas amazonas, pois carregamos nossas carreiras nas costas
e nossos filhos na bolsa, maridos histéricos, pais ciumentos, sogras rabugentas
que criticam cada coisinha que acontece com seus pobres filhinhos. Mas volto a dizer,
esse tipo de programa não é nada cultural, nem educativo, não acrescenta
informações e conhecimentos intelectuais aos telespectadores, e não há qualquer
outro estímulo. Em vez de assistir esse programa, que tal ler um livro, um
poema, ir ao cinema, ou,
simplesmente, dormir.