Olhar a vida dos outros virou esporte nacional. Breve fará parte do seleto grupo dos esportes olímpicos, já que existe em todos os continentes e conta com milhões de praticantes espalhados mundo a fora. Esse esporte não faz bem, não ajuda no desenvolvimento motor ou intelectual e nem auxilia que as crianças saiam das ruas e vão para as escolas. O “olhar a vida do outro futebol clube” marca sempre gol contra toda vez que entra em campo. É um verdadeiro ippon no bom senso e na regra de ouro da boa convivência. É ponto contra. É bola fora. É doping. É antidesportivo. Essa prática não merece pódio, medalha de ouro ou menção honrosa. Ela merece ser banida e julgada, não nos STJD’s da vida, mas em um tribunal onde impere o respeito e a dignidade.Se você pratica esse esporte, pare o quanto antes. Abandone as quatro linhas, saia da quadra, guarde o seu material de perversão e dor. Se você sofre com isso, se importe menos, afinal, campeões são invejados, perdedores não.