Tenho percebido que muitas pessoas andam decepcionadas com o seu "estado civil". E percebo também, porque observo quase tudo e demais que:

As pessoas estão cada vez mais narcisistas, digo com a imagem e com a personalidade. O mundo gira em torno de si e para si;

As pessoas tratam as outras como mercadorias, ou seja, todos são descartáveis na era da tecnologia, onde num clique eu deleto você e em outro eu encontro outra pessoa para conhecer. O ser humano não é tratado como tal mais, e sim como se fosse uma imagem criada em nossas mentes, ou seja, personagens.

Mercadoria segundo Karl Marx: http://pt.wikipedia.org/wiki/Mercado#Mercadoria

O ser humano é um "produto" do meio, já dizia Karl Marx né? E lendo o conceito de "produto" não me desapontei. 

Está aqui, é só ler: http://pt.wikipedia.org/wiki/Produto_(marketing)

As pessoas não buscam amadurecer durante a relação e nem após o término dela;

Em vez de nos analisarmos, procurar saber onde erramos, aonde o outro errou para chegar a uma consciência construtiva para as relações, entramos num estado de "chororô", postando fotos, frases, fazendo-se de vítima com todos. 

Assim, esquecem-se que, para existir uma relação amorosa, é necessário no mínimo: duas pessoas. 

Então o erro também foi meu, o erro foi nosso. Eu preciso melhorar algo em mim, e talvez a outra pessoa também. 

E isso não faz de mim um monstro nem do outro o "culpado" pelo fracasso da relação.

Enfim, falamos de amor, mas valorizamos por demais o sexo. Falamos demais de amizades e valorizamos as paranóias coletivas. Enfim, só falamos, falamos e falamos. Vamos tentar ser o que queremos que o outro seja, só assim estaremos sendo éticos um com os outros e não seres cheio de auto-compaixão pregando sua infelicidade. 

Vamos amadurecer.

A infância acabou.

O mundo é este.

Mas a escolha é sua.