— O amor é um jardim, meu bem, um jardim das flores mais belas e perfumadas. Se tu cultivas, terás um jardim de encantar até os olhos mais cegos, mas se tu deixas ao relento sem proteção, ou ao sol à seco, elas irão murchar, perder tua beleza e teu perfume. Morrer. O amor é cheio de rosas belas e espinhos afiados, encantam, te deixam cegos de paixão ardente, mas basta só um descuido, uma mão deslizada para os espinhos, e eles lhe machucam. Sangue à escorrer. Mas, querida, todos tem de saber lidar com tais, afinal, eles andam juntos: Amor e dor; unidos como carne e unha. Se tu queres um jardim belo de perfume incomparável, tem de se machucar com os espinhos de suas flores, e conhecer a dor.