Quando todas as coisas
Por um momento parecem querer desabar
Quando de algum modo
Tudo parece dar errado
Quando a tempestade
Insiste em permanecer mais do que o permitido
Quando as aflições
Se enraízam, e se aprofundam na vida
Quando a má sorte
Parece ser a cruel companheira
Quando o aperto no peito
Parece sufocar a vida inteira
Quando o desanimo
Agarra nossa alma e prende nosso destino
Quando aparecem ruínas
Sobre o lugar onde tanto edificamos
E da boca amiga
Vem palavras que ofendem
Quando a solidão
Torna-se fiel companheira de nosso desalento
Quando você enxerga
O fim de uma situação sem saída
Apenas te digo
Levante-se e olhe para o céu
Porque nunca seremos exemplos para nossos filhos
Nunca seremos um marco na humanidade
Nunca seremos luz para a alma alheia
Nunca seremos heróis para a sociedade
Nunca experimentaremos um milagre
Nunca entraremos num portal de experiencias radicais
Nunca alcançaremos qualquer plenitude
Se simplesmente desistirmos de tudo
Mesmo em meio as batalhas ferrenhas
Que a vida nos concede


Clavio J. Jacinto