O AMOR POR MEIO DA CULPA

19 de Setembro de 2012 ROOSEVELT Ensaios 1158

Um breve ensaio teológico

A relação entre Cristianismo e culpa é tão forte que não temos como entender o plano soterológico sem associá-lo à uma culpa universal e pessoal. A doutrina do Pecado Original, e sua extensão a todas as pessoas, tenham consciência ou não disso, nivelou a humanidade por baixo na sua condição de devedora inata e sem solução, exceto, se buscá-la na agência legítima e fiel representante do sagrado - A Igreja de Cristo; seja na versão romanizada ou na versão anglo-saxonizada (um apêndice da primeira).

Não resta dúvida que a mensagem de Cristo acalma a alma e nos deixa relaxados para trabalharmos no dia seguinte (Max Weber). Contudo precisamos pensar essa mensagem numa perspectiva pragmática. Faz dois mil anos que Cristo veio ao mundo. A Bíblia está em todos os lugares, e em todas as línguas, e em todas as formas; existem Bíblias explicadas, Bíblias translineares, etc., tudo para torná-la mais inteligível, acessível ao leigo. Existem países que grande parte da população confessa ser cristã Protestante ou cristã Católica – são massas religiosas quase hegemônicas, mas, há algo bem curioso e que me angustia quando penso sobre isso: O Cristianismo tem sido, sobretudo ao longo dos séculos, uma ideia e não uma conduta de vida – uma práxis existencial. “Faça o que eu digo, mas, não faça o que eu faço”.

O Cristianismo é uma ideia que possui sua gênese no dogma da culpa de um homem que já nasce devendo ao seu criador, e que terá que pagar por isso. Partindo do conceito de culpa, o Cristianismo se desdobra em uma série de outros conceitos todos voltados para a cristianização – a artificialização do homem para tirá-lo de sua mais real natureza: “O homem a imagem do outro”. A teologia do século XV considerava o homem como um ser criado, um ser perfeito, um ser que veio ao mundo pronto, ou seja, acabado – nada a acrescentar, exceto, a falha de percurso, conhecida por todos como “O Caso de Adão e Eva – os bonequinhos do Paraíso”.

Os teólogos reformistas não tiveram um olhar antropocêntrico, nem tão pouco observaram o vizinho conversando. Pois, se tivessem se preocupado um pouco mais com o animal – homem veriam na linguagem as contradições de seus postulados. A degeneração da raça de matriz adâmica é mito hebraico; o homem vara as eras e ascende em retorno ao seu Criador!

Como todas as espécies criadas por Deus, estamos nós em Evolução. A linguagem humana comprova o progresso das civilizações. De figuras e rabiscos nos paredões e cavernas úmidas, o homem desenvolveu a capacidade de significar e representar seu signo com mais perfeição. Isso comprova que nós tivemos uma evolução filogenética e outra ontogênica. À proporção que o nosso sistema nervoso foi sendo aperfeiçoado, nossa capacidade cognitiva foi ampliada, nossa percepção do mundo e da divindade foi melhorada. Conhecer o bem e o mal não faz mal algum! O conhecimento só incomoda àqueles que se alimentam da ignorância das massas!

Essa doutrina é parte do acervo teológico paulinista. O Paulinismo, uma nova versão do Cristianismo, dito primitivo, ensina que o pecado entrou no mundo por Adão e que sairá ou saíu por Cristo - o novo Adão, que para Paulo, é uma mistura de Deus-Homem-Espírito Santo. Temos aqui, claramente, o amor que se revela na culpa, e que produz o medo (Carta aos Romanos, cap V).

É muito difícil alguém sustentar que a inclinação moral foi herdada geneticamente. É mais difícil ainda aceitar a justiça divina transferindo a culpa de um homem para os seus descendentes que nem sabem de sua existência, ou, se podem de alguma forma, prova-la! O pecado Original, ou a teologia do medo e da culpa atenta contra o princípio da justiça divina e da racionalidade humana! Já dizia o grande codificador Espírita: “Toda religião que atentar contra a razão, desconfie dela”.

A Teologia do medo, também atenta contra o processo de hominização da besta homo sapiens. Isso é fato! É empírico! O sujeito que fala; o homo loquens nos diz de suas sendas pelos campos desse mundo. Ele veio da pedra dura, e após melhora-la, ele desenvolve técnicas fonéticas e fonológicas para materializar no mundo das formas seu pensamento. E isso, meus caros, é Evolução! Deus, então criou um ser-devir.

Oh, como é graciosa sua sabedoria! Como são insondáveis seus pensamentos para nós homens de carne!

Viver sem culpa é o desafio do cristão de qualquer credo! Não tenho débito por vir ao mundo. Meu débito é bem anterior ao mundo das formas; ele tem sua explicação no mundo virginal onde a matéria é tão sutil que podemos considera-la, para efeito de explicação, quase zero – o mundo da energia pura. O Carma causal, eu tomo como uma experiência que o Senhor dos Senhores fez no kairos. A experiência que produz experiência. Viver é experimentar, é aprender, é tentar, é melhorar, pelo menos é muito mais humano que a acese puritana que nos põe em mosteiros sem muros. Mas, para nós da Umbanda, viver é despertar seu Cristo interior!

“Desperta tu que dormes e Cristo te iluminará!” Acorda homem, o Cristo Planetário te convida à seara da Caridade! Pois, sem ela jamais veremos a Deus!

Assim, meus amados irmãos em Cristo, tenho posto a minha angustia sobre a culpa de viver. E entendo que viver é uma experiência abençoada pelo Pai das luzes e que devemos, a cada encarnação fazer o melhor para melhorarmos ainda mais essa espécie escolhida para tão nobre e espetacular experiência divina – VIVER no mundo das formas. Ademais, vos lembro, sobretudo, sois pneumas e nele VIVEIS E VOS MOVEIS. Que Oxalá, nosso Cristo vos abençoe. Paz e Luz!


Casa de Oração Caminho de Luz, Tobias Barreto, Se. Contato [email protected]

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
A rua me aceita como sou há 2 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 30


Não seja superficial há 3 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 36


"Dia do amor" há 6 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 13 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 13


"Estou cá a matutar" há 13 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 9


A Humildade nos Cai Bem há 18 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 9