São extremos os colapsos da poesia, quando falta é-se escassa demais, e quando se tem é em demasia.