MALANDRO EM SUA CIDADE E UM OTÁRIO BRASÍLIA

12 de Outubro de 2017 Reri Barretto Humor 155

Eurico (que não é o Eurico Miranda do Vasco) ganhou uma eleição para deputado federal e pensou logo na vida boa em Brasília.
-Em Brasília vou deitar e rolar. Lá serei o “Rei da cocada preta”. Sou bonito e tenho uma “lábia afiada”.
- Lá em Brasília tem também “cobra criada”. Alertava o amigo Arnaldo.
-Que nada! Lá só existe babão.
-Devagar...
Eurico se mudou para Brasília e como malandro inveterado procurou a noite de Brasília para se divertir. De cara encontrou uma velha e manjada “pastinha” (quenga de político em Brasília). Logo se amancebou:
-Agora estou na boa com essa quenga, que em Brasília é chamada pelo sugestivo nome de pastinha.
Pelo dia era enturmado com os políticos ficha suja e à noite era encastelado com a pastinha chamada Mirabel.
-Vem cá, Bel! Eram somente mimos e amores com a tal de Bel.
-Eu quero fazer parte da Comissão da Justiça! Exigia o deputado para os parceiros de partido.
- Você é um parlamentar novato na área. Deixe para os mais experientes. Você tem que aprender o manejo.
-Em minha Terra eu sei de tudo! Lá eu sou um dono do pedaço.
-Aqui é diferente. Tem que haver coligação. Tem que ter jogo de cintura.
-Eu não sou bailarino para ter jogo de cintura!
Para acalmar o novato político deram uma comissão sem importância para ele se conformar.
- Tá bem! Lembre-se que eu quero ser destaque aqui em Brasília.
Eurico não perdia uma sessão.
-Eu quero é estar por dentro dos bastidores. Dizia o avarento político.
Na hora de escolher a bancada foi um Deus-nos-acuda. Foi até a BANCADA DO BOI e lá foi recebido com frieza, uma vez que queria ser um dos chefes.
-Nem pensar! A Bancada do Boi é uma bancada forte e respeitada aqui no Congresso. Ninguém vai querer um novato na praça.
-Em minha terra eu tomei conta de sindicatos, associações e até partidos políticos.
-Sua terra é sua terra. Aqui mandam os caciques políticos.
Um dos chefões olhou para Eurico e fuzilou:
-Vá procurar outra bancada que no boi não há pasto para você.
Procurou a Bancada Sindicalista e lá começou a lorotar:
-No Brasil existe mais de 15 mil sindicatos. Sindicato X existe somente para arrecadar verbas e nada faz em prol da categoria.
Um sujeito que pertence aquele sindicato citado não gostou da explanação do novato e balançou a cabeça negativamente.
-Sindicato Y é feita por pessoas pelegas.
Um indivíduo que pertence o sindicato Y em silêncio não aprovou a ideia do Eurico.
-Sindicato forte não tem medo de retaliações de patrões. Pode acabar com o imposto sindical que nós dos sindicatos estaremos vivos.
Foi um chute nos testículos da bancada sindicalista.
-Ai dos sindicatos se não fossem os pelegos. Gritou um sindicalista veterano e acostumado a mamar nas tetas do governo.
-Em minha terra eu deito e mando no pedaço.
O sindicalista veterano deu um tiro de misericórdia no assunto:
- Por que você não se candidatou a deputado estadual e ficou lá mesmo em sua terra.
Foi procurar a bancada da Bíblia:
-Aleluia irmão, o que queres?
-Quero me entrosar na bancada.
-Que bancada?
-Da Bíblia.
-Fique sabendo que não recebemos herege.
-Deus procurou os doentes para curar. Filosofou Eurico.
-Sabemos disso. Que religião segue?
- Religião X.
-Hum.
Que partido político segue?
-Partido X.
-É o partido de fulano de tal.
-Sim, mas quero alcançar algo de destaque aqui em Brasília.
-Hum.
-Têm vícios?
-Sou mulherengo.
-Hum. Gosto de quem é sincero. Quer um conselho?
-Quero.
-Aqui em Brasília poucos falam a verdade.
-Quero um lugar de destaque aqui na Bancada da Bíblia. Olhando vitorioso soltou:
-Sou um homem que não minto.
Hum. Passe outro dia, que daremos a resposta.
Não foi aceito pela turma da religião. Foi procurar a BANCADA DA BALA. Tirou o terno, colocou um chapéu de couro, meteu um trinta na cintura e foi até a bancada.
-Estou vendo que o senhor é um legítimo representante da nossa bancada. Salientou o chefe do famoso grupo político. Olhando o gabola e novato político.
-Chapéu e calça de couro, trinta e oito “canela fina” na cintura, cinturão de cowboy. Quem é seu dono lá em sua terra.
Sentindo-se humilhado vomitou:
-Eu não tenho dono. Não sou cachorro.
-É minha maneira de se expressar. Qual seu chefe político? Quem é o coronel político de sua área?
-Em minha terra mando eu. Conseguir meus votos com meus esforços. Com minha poderosa “lábia”.
--Ainda usa “Canela fina”?
-Uso. Não está vendo? Inocentemente tirou o revólver e dá uma demonstração da sua agilidade no manejo da arma.
-Em minha Terra eu deito e mando.
Vendo aquela arma singular e as acrobacias ridículas do político, a velha raposa da política nacional dá logo o parecer:
-Aqui em nossa bancada nós gostamos de pessoas que usam armas de grossos calibres como fuzis, metralhadoras, bazucas, mísseis e até canhão.
Sem dó nem piedade esclareceu:
-Infelizmente os nossos financiadores deixaram de fabricar esses tipos de armas. Vá procurar outra bancada.
Ainda tentou as bancadas dos Direitos Humanos e outras mais nada.
-Pegue um glossário parlamentar e vá falar o linguajar deles. Aconselhou o amigo Arnaldo
-Tudo bem! Procurou um dicionário político e aí a coisa piorou.
-Um matuto sem eira nem beira querendo falar difícil aqui em Brasília. Gritou um político corrupto de cadeira cativa do Congresso.
-Ele quer é nos intimidar. Satirizou outro com um sorriso estampado.
-Um “Barriga verde” querendo ser sucesso aqui em Brasília. Brincou o outro
A fama de loroteiro espalhou.
Um dia vou ser destaque. Em minha terra eu deito e mando.
A noite tinha a velha amiga pastinha para o consolo. Virou político independente e atirou às cegas.
-Fulano de tal é corrupto!
-Devagar. Aconselhou o amigo.
-Sicrano é fuleiro!
-Olha a ética.
-Beltrano é trapaceiro.
-Devagar que o Santo é de barro...
Um dia mandaram assinar um documento em branco e o político novato que queria ser famoso na política e participar de uma famosa bancada conseguiu seu objetivo.
Hoje faz parte da bancada da papuda e seu nome está estampada em todos os grandes jornais da nação.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
ALJÔFAR há 9 horas

ALJÔFAR Cintila sobre a face embevecida Essa lágrima só de maravilha...
ricardoc Sonetos 6


UM GULOSO CEGO NO CABARÉ há 9 horas

O homem chega no cabaré e a dona do brega oferece: -Tenho uma mulata e um...
reribarretto Humor 28


EM GRUPO há 11 horas

EM GRUPO Ser mais um entre muitos ou não ser? Eu, para bem ou mal, me ...
ricardoc Sonetos 7


CICATRIZES há 1 dia

As lágrimas não mais caiam, Pois já era um outro dia, Mas, ainda exist...
juniorcampos Indrisos 19


TODO O CÉU VAI TE PERTENCER há 1 dia

Não são só meu olhos que ficam feliz por te ver, meu corpo só sabe te...
juniorcampos Indrisos 14


Ê coração há 1 dia

Ê coração que gosta de bater, Com isso, eu que apanho... Acelera no pe...
juniorcampos Indrisos 10