Tirando o Cavalinho da Chuva

13 de Novembro de 2017 latiumbr Humor 50

Ultimamente têm aparecido interpretaçôes de ditos populares; dizem, por exemplo que e "batatinha quando nasce, espalha a rama pelo châo" porque a batata nao se espalha pelo châo, é raiz; eu acho que isso e um verso popular e a rima ficou assim mesmo e deu certo.

Outra é " cor de burro quando foge".Burro nao muda de cor ao fugir, por isso seria" corra do burro que foge!"
Nao concordo com isso; por que alguém iria correr de um burro? Se fosse de um touro, vá la; Tarzan, quando filmou no Brasil correu de uma vaca,mas fugir de um burro? Vejam minha humilde interpretação: o burro fugiu; ele já é marrom; com a sujeira e o barro acumulados, deve ter ficado com aquela cor amarronzada com que pintamos paredes para cobrir a sujeira e não gastar muito;" cor de burro quando foge!

Outra frase comum e " pode tirar o cavalinho da chuva!" Supondo que a frase surgiu em São Paulo de antigamente, quando se andava a cavalo. Por que cavalinho? Não acredito que andassem de pôneis, senao seria: " pode tirar o pônei da chuva, Jarbas"-isso parece frase de menino rico mimado.

Lembrando dos cavalos que via na periferia antigamente, eram uns coitados de uns pangarés magros,meio encardidos, não um alazao negro; que cor eles tinham? Um marrom-acinzentado.Se o sujeito o chamava de "meu cavalinho", é problema dele.
Vamos supor que pegou seu pangaré, provavelmente preso a uma carroça( lembre-se ,não é um príncipe encantado para montá-lo) e se dirigiu à casa do Zé ( nome onomasticamente provável dada a frequência em nosso país).Vamos supor que o tal Zé nao estivesse nos melhores dias e não queria receber ninguém.Sendo a terra da garoa, vamos supor também que começou a chover.
Nosso amigo chegou à casa do Zé e amarrou a carroça no poste.Bateu à porta: " oh de casa!, Toc, toc,toc!"
O Zé, mal-humorado, abre a porta e grita:
"Pode tirar seu cavalinho da chuva; não vou receber ninguem!"

Essa é minha versão do "cavalinho na chuva".E se fosse um cavalinho de pau? Ai já é outra historia....
Ângelo Ranieri

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
DE RENOME há 10 horas

DE RENOME De certo, alguém que não eu, N'um lugar que não aqui, Viv...
ricardoc Sonetos 6


EM LARGA MEDIDA há 20 horas

EM LARGA MEDIDA Duvido porque penso, não por cético. Há-que se quest...
ricardoc Sonetos 10


ALJÔFAR há 2 dias

ALJÔFAR Cintila sobre a face embevecida Essa lágrima só de maravilha...
ricardoc Sonetos 8


UM GULOSO CEGO NO CABARÉ há 2 dias

O homem chega no cabaré e a dona do brega oferece: -Tenho uma mulata e um...
reribarretto Humor 41


EM GRUPO há 2 dias

EM GRUPO Ser mais um entre muitos ou não ser? Eu, para bem ou mal, me ...
ricardoc Sonetos 17


CICATRIZES há 3 dias

As lágrimas não mais caiam, Pois já era um outro dia, Mas, ainda exist...
juniorcampos Indrisos 20