O RATO, O GATO E O CÃO(cordel infantil)

24 de Janeiro de 2012 Maria Hilda Infantil 1175

O RATO PARA O GATO

Sei que tens grande vantagem
Em tamanho e coragem,
Mas eu tenho bom senso
E um talento imenso
De entrar em qualquer buraco,
Palácio ou barraco.

O GATO PARA O RATO

Esses teus dons não me confundem.
Só ratos tolos se iludem
Pensando que é fácil escapar,
Sem tenazmente lutar,
Com um gato esperto e sagaz
Que sempre leva a melhor em tudo que faz.

O CÃO PARA O GATO

Tu és um gato de tamanha formosura,
Nunca me canso de admirar.
Teu miado tem muita doçura
Teus olhos são cheios de ternura
O que faz o homem te estimar.
Mas eu, cão de muitas batalhas,
Conheço de ti todas as falhas.

O GATO PARA O CÃO

Não adianta falar grosso
Nem fazer tanto alvoroço
Porque eu, gato, não me intimido,
Aquele rato é meu inimigo,
E este é o momento propício
Para mostrar a ele quem manda.
Sai da frente cão que eu vou atacar.

O CÃO PARA O GATO

Pare! Eu não posso concordar
Com esse seu modo felino
De um pobre rato pequenino
Sem qualquer razão atacar.
Por que não briga comigo?

O GATO PARA O CÃO

Veja lá, seu cão que não conheço,
Não tente me virar pelo avesso
Porque se manso eu pareço
Não se engane eu sou um perigo.
Nos meus olhos não viste, por acaso,
O brilho da vitória?
É assim que termina o caso:
O gato vence o rato e fim da história.

O RATO PARA O LEITOR

Enquanto cão e gato discutem
Já tomei acertada decisão,
Ficarei alerta no meio do mato
Só pra ver se coragem tem o gato
De enfrentar o cão vira-latas
Ou se ficarão nessa lengalenga
Com o felino fazendo verso capenga
Aparentando ser um grande valentão,
Mas por dentro treme de medo do cão.

O CÃO PARA O GATO

Onde está, bichano estabanado,
Aquele ratinho, teu inimigo declarado?
Mais esperto do que tu ele deu no pé
E agora deve estar fazendo cafuné
Numa bela ratinha em sua toca.
E eu, como bom vira-latas,
Não sou afeito a contar bravatas
Darei vazão ao meu instinto canino
De perseguir qualquer felino.

O AUTOR PARA O LEITOR

Foi aí que o gato assustado,
Como se fosse um teleguiado,
Subiu na primeira árvore que viu.
E o rato? Ah, o rato sumiu...
E o cão latindo desesperado
Na esperança de que o gato aboletado
Descesse para que ele continuasse
A perseguição que nunca termina.
Enquanto isso no mato
Rolava de tanto rir o rato.

06/05/11.
(cordel infantil)


Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 13


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 10


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8