A FADA BONECA

22 de Março de 2018 Maria Hilda Infantil 99

Na Terra do Imaginário vivia uma menina que morava com seu pai, um lavrador muito pobre. No dia em que completou cinco anos, o lavrador chegou a casa com um pacote nas mãos e foi dizendo:
- Filha, este é o presente que eu posso te dar.
A menina abriu o pacote e dentro estava uma boneca de pano não muito nova. A criança ficou encantada. Abraçou e beijo a boneca e a levou para o seu quartinho. Colocou-a em uma cadeira bem enfrente de sua cama. Naquela noite a menina aniversariante sonhou que a boneca estava viva e falava como gente. O pai sorria enquanto a pequena contava seu sonho.

O pai precisava sair, pois procurava trabalho e para isso precisava andar muito. Ele era especialista em colheita de feno por isso percorria as fazendas, mas nenhuma delas precisava de empregado. Voltou para casa triste, desiludido. A menina, com a boneca nos braços, acercou-se do pai e, para ver um sorriso no rosto do homem, passou a mão da boneca no rosto dele.
À noite, depois de rezar, o pai foi dormir. Sonhou com a boneca da filha que lhe dizia:
- Vá à fazenda Brisa. Lá tem o emprego que procura, mas tenha cuidado com a dona, ela gosta de enganar os empregados.

O homem acordou na manhã seguinte pensando no sonho. Será que podia acreditar? Era tão real. Arriscou e partiu para a fazenda Brisa. Ao chegar foi recebido pela dona da fazenda que lhe fez uma proposta.
- Preciso de um ajudante. Pode trabalhar para mim, porém o pagamento só se colher mais do que eu em uma semana.

O homem aceitou sem saber que a dona da fazenda possuía muitas ferramentas para fazer a colheita do feno e ele só tinha aquela foice velha. Na certa perderia para a fazendeira. Outra vez sonhou com a boneca da filha. Desta vez ela afiava a foice numa velocidade incrível e, quando terminou, a foice estava afiadíssima e novinha. Brilhava. Era como se tivesse sido comprada naquele instante. No dia seguinte, não acreditando no sonho, foi ver a foice que ele guardara no celeiro. Lá estava ela como no sonho, linda, novinha.

Sorrindo o homem partiu para o trabalho. A foice ganhava uma velocidade incrível quando o homem a manejava. Era como se não precisasse de mão para conduzi-la. O trabalho evoluía satisfatoriamente Do outro lado da fazenda, a dona, usando todas as ferramentas modernas, trabalhava rapidamente para vencer o homem e assim não pagar o salário devido. Chegou o final daquela semana. A mulher foi verificar o trabalho feito homem naquele lado da fazenda. Não acreditou no que viu. O feno estava colhido e amarrado em fardos era só carregar. Então ela perguntou:
- Como conseguiu, com essa foice velha, fazer todo esse trabalho?
Foi aí que o homem olhou para a foice e viu que estava velha como antes. Sem saber o que responder, ele disse:
- Fiz o meu trabalho. Quero receber o pagamento combinado.
Recebido o pagamento, o homem voltou para casa e ao entrar na sala viu a filha brincando com a boneca que já não era velha. Era uma linda boneca de pano com roupas coloridas. A menina sorrindo disse ao pai:
- Viu papai. Minha boneca é mágica. Hoje quando eu acordei ela estava assim, novinha, novinha.

22/03/18

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Primeiro encontro" há 1 hora

Olha, te recordas da primeira vez que eu te vi? não foi só pra me distr...
joaodasneves Mensagens 5


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P1 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 5


Domingo,pede carinho… há 22 horas

Os últimos acordes do domingo,mas sempre ao lado de quem amo... Namorada...
anjoeros Poesias 7


"Vou chorar" há 23 horas

A partir de hoje vou chorar todas as noites Agora que te fostes do meu la...
joaodasneves Poesias 13