Raquel não acordara bem essa manhã. Estava decepcionada com o término com o seu ex-namorado. Prometeu nunca mais se relacionar com outro garoto – por medo que a fizesse sofrer novamente. - Estava deprimida. Precisava se refugiar, então saiu para dar uma volta na praia. Em quanto bebia sua água de coco, observava o garoto que estava do outro lado da rua. Era um garoto alto, forte, cabelos compridos. Seus olhos azuis chamavam sua atenção, mas quando se lembrou do que acabara de acontecer, virou-se rapidamente. Mas era mais forte que ela. Precisa observá-lo. Admirá-lo. Quando voltou a olhar novamente ele já não estava mais. O sorriso que existia em sua face já não existia mais. De repente um garoto senta ao seu lado e pergunta:
- Posso sentar?
Era ele. O garoto que tanto chamou sua atenção estava a centímetro de distancia dela. Raquel estava feliz, seu coração batia forte, mas não demonstrava isso. Ela disse que ele poderia sentar, mas deixou a mesa vaga para ele. Não queria ignorá-lo, mas precisava. Raquel não queria alimentar o que estava sentindo por ele. Um sentimento que a cada minuto aumentava.
No dia seguinte saiu para, mais uma vez, encontrá-lo. Não o via em lugar nenhum, mas aquele sorriso ainda existia por saber que pelo menos ele existe. As horas se passavam e ele não aparecia. Raquel, cansada de esperar, já estava de saída quando ouvi uma voz dizer:
- Gata, você é linda demais, só tem um problema: a sua boca está muito longe da minha! – falou enquanto sentava ao seu lado.
- Dá próxima vez, fala uma melhor!
Em seguida lhe deu um tapa na cara e o deixou sozinho- mas isso não a deixou chate-ada. - Ele saiu a sua procura e tentou fazer tudo direito.
- Desculpa! Eu fiz tudo errado. Deixe-me apresentar: Eu sou o Pedro!
- Raquel!
- Quer dizer que vai haver uma próxima vez?
Raquel bateu de leve em seu ombro, e começaram uma longa conversa.