LAMENTAÇÕES DE UM PIOLHO MORTO

24 de Julho de 2012 Isloany Machado Juvenil 1103

Bom dia, senhoras e senhores.
Aqui quem vos fala é um piolho, um piolho morto. Decidi manifestar-me porque aqui do além, onde agora habito, me lembrei que quando era adolescente li um livro que me impressionou muito, naquela época eu morava na cabeça de uma menina, Raquel, que amava os livros e eu acompanhava suas leituras do alto de sua cabeça. Ela não deixava sua mãe me matar porque adorava quando eu lhe fazia cócegas atrás das orelhas, sarrista que era, sempre que ficava intrigada dizia: “estou com um piolho atrás da orelha”. Ríamos muito. Então um dia li junto com ela a história de um tal Brás Cubas, que escreveu o livro depois de morto e conta sua vida de trás pra frente. Inspirado nele é que hoje resolvi me lamentar. Pois, sou um piolho morto. Quando Raquel decidiu entrar na faculdade, achou que não lhe cabia mais carregar um piolho na cabeça e me pediu gentilmente que fosse embora. Arrumei minhas malas, coloquei meu chapéu e minhas botas e saí. Ela chorou e eu também. Errando pelas ruas avistei uma menina de uns nove anos. Apaixonei-me por seus cabelos, que eram muito parecidos com os de Raquel, crespos e volumosos. Ah, como eu adorava me perder naquele vai-e-vem de seus fios. Fazia de escorregador alguma mecha displicente que caía em sua testa. Raquel se sabia amada com a minha presença. Decidi que habitaria aquela nova cabeçorra linda cuja dona se chamava Lisa. Com o passar dos dias, notei que a menina não era alegre como Raquel. Todas as manhãs, antes de ir pra escola, sua mãe nos emplastrava, a mim e aos cabelos de Lisa com um creme enjoadamente cheiroso e fazia duas pitucas no alto da cabeça, uma de cada lado. Lisa gritava “ai!”, mas sua mãe ignorava e dava uns solavancos dizendo que parasse quieta. Eu ia pra escola sufocado e bem esticado no meio dos fios que cercavam meu corpo e não me deixavam mover sequer as mãos. Eu não podia acompanhar as lições de Lisa. Quando chegava em casa, ela soltava as amarras e brincávamos a tarde toda, daí sim podia ler alguma coisa, nas frases de para-choque de caminhão que suas amigas postavam no facebook. Lembro-me de uma assim: “Dias melhores virão, chamam-se sábados, domingos e feriados”; e outra assim: “Gata, eu não sou coxinha de rodoviária, mas só tenho óleos pra você.” Ficava impressionado com a capacidade de síntese da sociedade ultramoderna. Na época de Raquel a gente passava as tardes lendo Machado, Alencar, Lispector, enfim, c’est la vie . Um dia a mãe de Lisa ficou muito irritada ao arrumar seus cabelos e esbravejou: “sábado vamos dar um jeito nisso!” Cutuquei Lisa e disse a ela: “ufa, até que enfim sua mãe se deu conta de que é melhor deixar a gente em paz!”. Mas sábado foi o dia fatídico. O dia de minha morte. Estão pensando que a malvada mãe de Lisa me matou à unha? Nada disso. Ela levou a filha em um salão de beleza: “quero que você faça um alisamento nela”. Eu não entendi nada, Lisa pôs-se a chorar. Enquanto lavavam a cabeleira, eu me agarrava como de costume aos fios, mas depois da lavagem, uma mulher de cabelo vermelho-fogo, com uma parte da raiz preta, veio com um enorme pincel e besuntou os cabelos de Lisa. O produto não era o mesmo que sua mãe usava, o creme enjoado de tão cheiroso, era algo que fedia a esgoto, terrível! Fui ficando meio zonzo, mas resisti bravamente, afinal, não queria desertar daquela cabeça à que me apegara já tanto. Os piolhos também amam. Sem que eu pudesse me recuperar perfeitamente do produto, a mulher veio com um aparelho que parecia uma prancha, ouvi quando disse à sua assistente: “ligue a chapinha na tomada”. Separou uma mecha de cabelo e pranchou, vi fumaça saindo! Pensei em fugir, mas antes que houvesse tempo de avisar Lisa, a mecha de cabelo em que eu estava foi tomada pelas mãozinhas balofas da mulher. Fui então assado entre as duas chapas metálicas. Assim se deu minha morte. À época de meus pais, os piolhos morriam por causa de um produto com o qual lavavam a cabeça das crianças. Na de meus avós, socavam álcool nas cabeças piolhentas. Nunca imaginei que meu fim seria desta forma: literalmente chapado. Morri muito jovem e lamento por isso. Agora Lisa está com os cabelos lisos, tão lisos que nem os tic-tacs agarram os fios, acabou-se o trabalho de sua mãe, que agora economiza o tempo de ajeitar os cabelos e gasta postando frases filosóficas no facebook. A última que me lembro de ter lido em seu mural era assim: “Gente que faz você ficar com pulgas atrás da orelha? Enfia minhocas na sua cabeça? Cria grilos e te fala cobras e lagartos? Minha filha, isso não é gente não, é uma praga! DEDETIZA!”.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 13


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 10


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8