"Eu não pude dormir. Eu não poderia dormir nem que eu quisesse. Se as imagens de meus pais morrendo já vêm a minha mente, sem eu nem ao menos fechar os olhos, o que me aconteceria quando eu adormecesse? Eu não suportaria aquele pesadelo novamente. Isso me apavora. Aliás, o que há de não apavorante na minha vida ultimamente?!


Permaneço sentada no sofá, no mesmo lugar em que Dan me deixou envergonhada. Eu encaro o vazio da sala, perdida em sua escuridão. Ela não parece tão diferente da minha vida. Eu não sei que horas são, ou há quanto tempo continuo aqui, no entanto estou paralisada pelo medo e pela dor."

continua: http://quimera1.blogspot.com.br/2012/08/capitulo-7-assassino.html