"Já passavam das três horas, não havendo qualquer restaurante aberto, acabamos comprando um almoço, que faria minha mãe se orgulhar se me visse comendo.


Estamos na orla de um bonito rio que corre calmamente seu percurso, sem pressa, sabendo que suas águas acabarão fazendo tudo novamente, então aproveita para admirar a paisagem. Brinco com o meu copo de suco, pois Dan me proibira de tomar refrigerante, devendo comer algo saudável, apesar de ele estar entretido na sua lata de Coca-cola. Mordisco outro sanduíche natural, que encontramos numa lanchonete, que me faz lembrar novamente da minha mãe.


O silêncio, que se instalou por quase todo o tempo desde que saímos da casa, até chegarmos aqui, é confortável, não mais me incomoda. Eu preferiria estar conversando, no entanto, Dan mantém seu olhar distante na paisagem, apoiando seus antebraços na grade que protege os visitantes, separando-nos do rio que corre abaixo de nós. "

continua: http://quimera1.blogspot.com.br/2012/08/capitulo-11-uma-nova-vida.html