"__Isso é comigo. E não me venha dizer que você não sabia.


__Eu não sabia. Juro. Como eu poderia saber?! Alguém mais sabe?!


__E sabe quem morreu? __Prossegue ignorando as perguntas de Carvalho, sem demonstrar a raiva que parece conter, se é um indicativo a força que percebo em seu braço.__ Esqueci. Você anda mal informado ultimamente. O Levi. E eu não sei por que tudo parece tão relacionado. Eu diria que as duas mortes têm o mesmo mandante. E você vai me dizer quem é.


__Eu não sei, Dan. Eu não sei de nada do que você está falando. Eu juro. Você sabe que eu nunca sei quem é o mandante, eu sou só um mediador, só repasso as informações.


__Eu sei, Carvalho. Mas só eu e você sabíamos onde encontrar o Levi. O mandante deve ter mandado alguém aqui perguntar e você abriu a boca.


__Não! __Persiste e lágrimas de desespero brotam dos seus olhos apertados numa careta de dor. __Eu nunca faria isso com ele. Nem com você. Eu não disse nada.


__Eu estou esperando. Mas não sei por quanto tempo vou continuar. __Contrapõe Dan soltando a minha cintura. Eu me afasto um pouco, mas meus olhos continuam fixos na expressão aterrorizada de Carvalho.


__Eles me ameaçaram, Dan. __Confessa, chorando abertamente como uma criança que tem seu crime descoberto e teme seu castigo. Um burburinho se inicia dentro do bar, mas a porta permanece fechada. __Por que você foi se meter nessa confusão?! A grana era boa. Era só fazer o serviço direito e cair fora. Por que salvar a garota? Eu sempre falei para você só fazer seu trabalho."

Continua: http://quimera1.blogspot.com.br/2012/08/capitulo-13-executor-parte-2.html